Crédito: Fetrafi-RS
Fetrafi-RS Reunião discutiu quadros básicos e simuladores para migração

A Fetrafi-RS retomou com o Banrisul no início da tarde de quarta-feira (26), em Porto Alegre, o debate sobre o plano de carreira dos funcionários do banco. Antiga reivindicação da pauta específica dos banrisulenses, a atualização do quadro de carreira tem sido debatida à exaustão no âmbito da Comissão Paritária, que agrega representantes do Banrisul e do movimento sindical.

Pela proposta dos trabalhadores, o banco deve passar a entender a carreira do banrisulenses como investimento e processo de gestão dos seus objetivos.

A reunião discutiu a organização da retomada dos trabalhos, o calendário de reuniões e o funcionamento da Comissão. Também foi debatida a ação do Ministério Público, que obriga a realização de concurso para o preenchimento de vagas para nível superior e a lei ordinária para cargos em comissão.

Ainda foi discutido o funcionamento das subcomissões sobre Tecnologia da Informação e Call Center, previstas nas negociações específicas da Campanha Salarial 2013. Essas comissões não irão contar com a participação do banco, sendo que suas demandas serão encaminhadas à comissão principal.

As próximas negociações do plano de carreira irão começar pelos quadros dos cargos básicos, com apresentação de simulador para migração já na próxima reunião do fórum, agendada para o dia 16 de abril, às 14h30, no prédio da Direção Geral do Banrisul, na capital gaúcha.

Ação judicial impede comissionamentos

O Ministério Público impetrou uma ação judicial contra o Banrisul em 2012, destacando a obrigatoriedade da realização de concurso público para preenchimento de vagas de nível superior e lei ordinária para cargos em comissão em geral.

A ação foi julgada em outubro de 2013 e publicada em novembro de 2013. Desde então, o banco ficou impossibilitado de fazer qualquer comissionamento.

Além de solicitar o efeito suspensivo da ação enquanto esta estiver em trâmite legal, o Banrisul buscou outras formas de diálogo com o MP para resolver o impasse. O banco aguarda a manifestação do MP ou o julgamento de recurso para se pronunciar.

Fonte: Fetrafi-RS