sexta-feira, maio 24, 2019
Home > Bancos > Debates no GT sobre Caixa Minuto terminam sem apresentação de proposta

Debates no GT sobre Caixa Minuto terminam sem apresentação de proposta

Representantes dos empregados cobram que política da empresa seja revista, com o fim do caixa minuto e com retomada da função de caixa

Os debates sobre caixa minuto no Grupo de Trabalho paritário que analisa o tema terminaram sem que houvesse a apresentação de qualquer proposta. A reunião do GT, ocorrida em Brasília nesta segunda-feira (19), não foi conclusiva e culminou em um impasse que precisa ser resolvido com a urgência necessária.

Mais uma vez os representantes dos empregados protestaram contra a intransigência da Caixa, que se nega a rever uma política que ponha fim ao caixa minuto e restitua a designação à função de caixa. Nas reuniões realizadas até agora, a Contraf/CUT sempre enfatizou o papel diferenciado do caixa na empresa em relação a outros bancos, justamente por tratar de itens como o pagamento do FGTS e o seguro-desemprego, exclusividades da Caixa.

“Ficou demonstrado mais de uma vez que a Caixa Econômica Federal não tem necessidade do caixa minuto. O que precisa ser feito é ampliar a quantidade de caixas nas agências e contratar mais trabalhadores. Foi essa política que impactou na melhoria das condições de trabalho e que possibilitou ao banco ajudar o país a superar crises”, afirma Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa).

Dionísio Reis lembra ainda que a Contraf/CUT já deixou claro seu posicionamento sobre o caixa minuto, cabendo agora ao banco apresentar uma proposta para ser debatida e negociada. E acrescenta: “Até o momento está evidente que o caixa minuto prejudica os trabalhadores, a população e o banco 100% público”.

Nesta terça-feira (20), na sede da Fenae, a CEE/Caixa vai avaliar a questão, inclusive com a possibilidade de estipular uma agenda de mobilização.

Fonte: Fenae.