quarta-feira, outubro 17, 2018
Home > Bancos > Bancários recebem mais um “presente de Natal” do Santander

Bancários recebem mais um “presente de Natal” do Santander

Santander deu um show com a Ivete Sangalo para os funcionários como festa de final de ano. Adivinha quem vai pagar a conta? Leia até o final que você vai descobrir.

Os trabalhadores do Santander, que são usuários da Cabesp, receberam nesta sexta-feira, dia 15, um “presente de Natal”, que mais parece um presente de grego quando foram conferir suas contas correntes.

Historicamente, o pagamento dos salários no mês de dezembro é antecipado cinco dias, mas não foi o que aconteceu desta vez.

Os trabalhadores foram surpreendidos pela falta do pagamento e, o que é pior, com o débito da coparticipação da Cabesp, que tinha sido informada pelo Santander que a folha seria antecipada para o dia 15.

Nenhum comunicado de que o pagamento seria no dia 20 chegou aos bancários, consequentemente, todos aguardavam o pagamento no dia 15 como sempre foi feito no mês de Dezembro.

“Essa postura do Santander demonstra que sua única preocupação é acumular lucros a custa dos trabalhadores, usando durante esses cinco dias o dinheiro da folha de pagamento para ganhar com juros no mercado financeiro, enquanto seus funcionários passam sufoco”, comenta o presidente da Afubesp, Camilo Fernandes.

“É por esse motivo também que pretende mudar a data de pagamento dos bancários do dia 20 para o dia 30, a partir de março de 2018. Também vai alterar o pagamento do décimo terceiro salário – a primeira parcela será em maio (e não mais em março) e a segunda em dezembro (não mais em novembro como sempre foi). Santander só pensa na sua lucratividade, os trabalhadores que se virem”, completa Fernandes.

A Afubesp entrou em contato tanto com a direção do Santander, como com a da Cabesp. A Presidente da Caixa Beneficente informou que será feito o estorno do valor ainda no dia de hoje.

O que virá
O Santander já avisou que em 2018 quer que os funcionários aumentem o lucro de R$ 10 bilhões para R$ 12 bilhões, ou seja, um aumento de 20%. Tudo isso leva a crer que mais maldades já estão no calendário do banco espanhol, que certamente virão por meio de metas abusivas e assédio.

Fonte: Afubesp