quinta-feira, agosto 22, 2019
Home > Destaques > Bancários vão às ruas na Greve Geral em defesa da Educação e contra a reforma da Previdência

Bancários vão às ruas na Greve Geral em defesa da Educação e contra a reforma da Previdência

O Sindicato dos Bancários da Paraíba se soma ao ato da Greve Geral da Educação, que terá concentração nesta terça-feira (13), as 14h no Lyceu Paraibano, em João Pessoa. O protesto terá uma caminhada saindo da escola Lyceu Paraibano até o ponto de Cem Réis, passando pela Lagoa, e depois segue no sentido da Diogo velho, sobe até a Praça dos Três Poderes e depois vai até o Ponto de Cem Réis. A atividade que é nacional e denúncia os cortes na educação, feitos pelo governo Bolsonaro e a reforma da Previdência, que dificulta o acesso a aposentadoria.

A iniciativa foi aprovada pelos professores da UFPB – Campus I, UEPB e UFCG em assembleias na manhã desta segunda-feira (12), onde decidiram pela paralisação das aulas. A rede municipal de ensino também está paralisada durante todo o dia.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários, Marcelo Alves, o momento é de se somar à luta contra o desmonte do setor público que afeta não só as universidades, mas também os próprios bancos públicos. “Esse dia é um dia histórico que vêm se construindo em uma agenda de grandes mobilizações como as de maio e de junho para alertar sobre a destruição nas Universidades, Institutos Federais e empresas públicas, que são patrimônio do país e que estão sendo sucateadas nesse governo neoliberal de Bolsonaro. Iremos nos somar a essa luta que é nacional e que precisa da força de todos os trabalhadores que se preocupam com o futuro do país e das gerações. Vamos à luta”, conclamou.

Dentre as mudanças propostas para a Previdência, está a instituição da obrigatoriedade de idade mínima para aposentadoria, que passa a ser de 65 anos para os homens e 62 para mulheres. Além disso, para receber 100% do benefício, o trabalhador deverá contribuir por 40 anos. O tempo mínimo de contribuição será de 15 anos para mulheres e de 20 anos para homens. Neste caso, receberão apenas 60% do benefício.

O cálculo do benefício também muda, reduzindo os valores que serão pagos aos trabalhadores. Atualmente, os valores são calculados levando em conta 80% dos maiores salários de contribuição. Apenas os maiores valores são utilizados no cálculo. Com a reforma da Previdência, os valores passam a ser calculados pelo total das contribuições, mesmo as de menor valor. Isso derruba o valor médio das contribuições e leva à redução do benefício a ser pago aos trabalhadores.

Na Pressão

Ainda há tempo para lutar contra a aprovação da reforma da Previdência. Além de se mobilizarem nas ruas de todo o país, os trabalhadores podem enviar mensagens e pressionar os senadores a votarem contra a proposta que, se aprovada, tornará quase impossível o sonho da aposentadoria.

O site “Na Pressão” é uma ferramenta criada pela Secretaria de Comunicação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) para o envio de e-mails ou mensagens pelas redes sociais ou telefone para parlamentares, juízes, ministros e qualquer outra autoridade que represente o povo brasileiro.

O “Na Pressão” está disponível para todos os sindicatos, entidades e movimentos sociais parceiros, podendo ser usado em campanhas específicas dirigidas a instâncias regionais ou locais dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.