sábado, dezembro 14, 2019
Home > Destaques > Governo fixa juros mas correntista poderá pagar mais usando ou não cheque especial

Governo fixa juros mas correntista poderá pagar mais usando ou não cheque especial

Limite para juros ao mês passará para 8% a partir de 2020 e haverá cobrança de uma taxa de 0,25% ao mês sobre os valores do limite acima de R$ 500 – O Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou mudanças nas regras do cheque especial a partir de janeiro de 2020. Entre as medidas está a imposição de um limite de 8% na taxa média mensal, o que representará uma taxa anual de 150%. O Sindicato dos Bancários da Paraíba vê com preocupação e alerta os consumidores para um cenário de ainda mais lucratividade dos bancos à custa dos usuários.  A resolução do Banco Central do Brasil que trata do assunto foi publicada no Diário Oficial da União no dia 28 de novembro e passa a valer a partir de 6 de janeiro de 2020. Acesse a portaria aqui.

Para Lindhonjonson Almeida é preocupante essa decisão do Banco Central. “O governo tabela os juros do cheque especial, que no Brasil é um dos mais altos do mundo chegando a 306% ao ano, mas cria uma tarifa de 0,25% sobre os valores que excederem o limite de R$ 500,00 e isso vai levar a maioria dos usuários desse tipo de crédito a pagar ainda mais caro pela contratação do cheque especial, quer use ou não o limite contratado. Se realmente quisesse resolver o problema do crédito, o governo deveria atacar a altíssima rentabilidade dos títulos públicos que afeta todas as taxas de juros da economia e diminuir a concentração de mercado no setor bancário, onde apenas cinco bancos detêm mais de 90% das operações e assim definem os preços como um oligopólio”, arrematou o presidente do sindicato.

Na prática, haverá cobrança de tarifa para quem tiver limite de cheque especial superior a R$ 500,00. Até esse limite o usuário não pagará pelo serviço, mas será cobrada mensalmente uma taxa de 0,25% sobre o valor que exceder R$ 500,00, quer use ou não o limite do cheque especial.

Quem usar o cheque especial no mês poderá descontar o valor da tarifa dos juros pagos, quando estes apresentarem valor superior ao da referida tarifa. Se o valor dos juros for igual ou inferior, o cliente vai pagar apenas o valor da tarifa. Quem não utilizar pagará a tarifa normalmente. Qualquer aumento de limite fica condicionado à prévia autorização do cliente.

Para quem tiver uma conta com limite de cheque especial fixado antes do dia 27 de novembro de 2019, a cobrança entra em vigor em 1º de junho de 2020. Segundo o BC, para os contratos em vigor, cabe à instituição financeira comunicar ao cliente a cobrança com 30 dias de antecedência.

Pelas novas regras, a cobrança dessa nova taxa passa a valer a partir 1º de janeiro de 2020 para os novos contratos. Nos que houve repactuação na mudança dos limites, ela só poderá ser cobrada a partir de junho de 2020. A limitação dos juros em 8% ao mês entra em vigor em 6 de janeiro de 2020.

Exemplos concretos

A análise do Dieese mostra que, dependendo do limite que seja disponibilizado e da efetiva utilização do cheque especial, a cobrança de tarifas pode tornar os custos superiores aos das regras antigas e anular completamente a redução nas taxas de juros anunciada. É o caso dos clientes que não utilizam o cheque especial, daqueles que utilizam seu limite poucas vezes no ano e dos que utilizam percentuais baixos do limite disponível.

O Dieese cita como exemplo um cliente com limite disponível de R$ 10.000,00, que utiliza R$ 2.000,00 de seu limite em apenas dois meses no ano. Pelas regras atuais, este cliente não pagaria nada de tarifas e pagaria 12,4% de juros nos dois meses utilizados. Isso geraria um custo de R$ 496,00 de juros. Já com as novas regras esse mesmo cliente pagaria R$ 320,00 por causa dos juros, mas teria um custo adicional de R$ 237,50 com tarifas bancárias, totalizando 557,50. Ou seja, com a nova regra se somarmos juros e tarifas o custo para este cliente na verdade foi de 14%.

A presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira. criticou a medida que na prática não proporciona ao correntista pagar menos pelo dinheiro usado. “Mesmo com a redução anunciada, a taxa anual de juros do cheque especial permanecerá em patamares absurdos de 150% ao ano e quem tiver limite superior a R$ 500 vai pagar se usar ou não o crédito contratado ”, concluiu.

Fonte: Seeb-PB, com Contraf-CUT