terça-feira, fevereiro 25, 2020
Home > Destaques > Jovens pobres no Brasil levariam nove gerações para atingir renda média do país, diz pesquisa

Jovens pobres no Brasil levariam nove gerações para atingir renda média do país, diz pesquisa

Um relatório social divulgado pelo Fórum Econômico Mundial na última terça-feira (21) revelou que um brasileiro nascido no patamar mais baixo de renda levaria nove gerações para chegar à renda média do país. O Brasil ocupa o 60º lugar entre 82 países em um ranking que mede o índice de igualdade social, ou seja, o quanto uma pessoa que nasce em determinadas condições socioeconômicas tem chances de melhorar essa posição ao longo da vida. O estudo do Fórum aponta a mobilidade social como “causa e consequência do aumento das desigualdades” e diz que ela prejudica o crescimento econômico e a coesão social. Confira na íntegra o relatório aqui.

Para chegar ao índice, o relatório analisa dez itens em cinco áreas: saúde, educação, tecnologia, trabalho e proteção social. O Brasil tem um dos piores resultados para o item aprendizagem ao longo da vida, ocupando a 80ª posição, a antepenúltima do ranking. Só ganha da Geórgia e do Bangladesh.

Para se ter uma ideia, na Dinamarca, que lidera o ranking, essa ascensão social demoraria só duas gerações. No relatório, os dinamarqueses são seguidos de Noruega e Finlândia. A Costa do Marfim está na última colocação. Na América do Sul, o Brasil está atrás de Uruguai (35º), Chile (47º) e Equador (57º). Já Colômbia (65º), Peru (66º) e Paraguai (69º) vêm atrás.

O país também obteve índice negativamente ao se tratar do desenvolvimento educacional por um alto índice de crianças que, aos dez anos, não atingiram o nível mínimo de educação. O documento ainda recomenda que o país reduza a proporção de alunos por professor e sugere que melhorar as oportunidades de aprendizagem ao longo da vida pode ajudar o país a reduzir os níveis de desemprego. Diz também que “esforços adicionais poderiam ser feitos para diminuir os níveis de desemprego entre os trabalhadores com educação básica (15,3%) e intermediária (14,1%)”.

Segundo o estudo, a falta de mobilidade social “é um grande problema, não apenas para o indivíduo, mas também para a sociedade e a economia” porque “o capital humano é a força motriz do crescimento econômico”.

“A fraca mobilidade social, aliada à desigualdade de oportunidades, sustenta esses atritos, sugerindo que, se o nível de mobilidade social fosse aumentado, poderia atuar como uma alavanca do crescimento econômico”, registra o documento do Fórum Econômico Mundial.

O relatório diz que poucos países têm, hoje, condições de promover mobilidade social e diminuir a desigualdade. “Em média, nas principais economias desenvolvidas e em desenvolvimento, os 10% mais ricos recebem quase 3,5 vezes a renda dos 40% mais pobres”, aponta.

Se os países do ranking aumentassem o índice de mobilidade social em dez pontos, diz o texto, o PIB (Produto Interno Bruto) mundial teria um crescimento adicional de 4,41% até 2030, além de vastos benefícios sociais.

Posição do Brasil em cada componente do ranking geral:
– Aprendizagem ao longo da vida: 80ª
– Instituições inclusivas: 74ª
– Oportunidade de trabalho: 69ª
– Qualidade e equidade da educação: 65ª
– Distribuição justa de salário: 64ª
– Saúde: 60ª
– Acesso à educação: 57ª
– Acesso à tecnologia: 55ª
– Condições de trabalho: 39ª
– Proteção social: 38ª

Seeb-PB e Folha de SP