terça-feira, fevereiro 25, 2020
Home > Bancos > Vestidos de preto, empregados da Caixa retardaram a abertura do expediente ao público em protesto contra a reestruturação

Vestidos de preto, empregados da Caixa retardaram a abertura do expediente ao público em protesto contra a reestruturação

Nesta quinta-feira (13), empregados e empregadas da Caixa Econômica Federal nas unidades de João Pessoa vestiram preto, em protesto contra o processo de reestruturação que está provocando a redução do banco, do seu papel social e o desrespeito aos direitos dos funcionários.

Na agência Cabo Branco, onde a abertura do expediente ao público foi retardada em uma hora, a diretoria do Sindicato dos Bancários da Paraíba se reuniu com os funcionários para discutir sobre o modelo proposto pelo governo para a Caixa, que está sendo desvirtuada de sua função social e direcionada para o aumento das vendas de produtos em seguros, cartões e outras áreas que estão na mira da privatização.

Os malefícios para o corpo funcional também foram destacados pelos representantes da categoria, a exemplo das mudanças bruscas de atividades, cobranças de metas abusivas, descomissionamentos sumários, fim de postos de trabalho e transferências compulsórias.

Os fatos

De forma unilateral, a direção da Caixa ignorou o processo negocial com os trabalhadores e, mesmo tendo agendado uma reunião com a representação dos empregados, anunciou seu projeto de reestruturação, limitando os prazos de inscrição para os empregados.

No dia 11, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) conseguiu uma liminar impedindo a Caixa Econômica Federal prosseguir a reestruturação. Com base nessa medida judicial, a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) conseguiu suspender todo o processo de reestruturação e o portal UmasóCaixa foi suspenso ontem e hoje voltou ao ar para receber sugestões dos empregados. A plataforma era responsável por receber as manifestações de interesse dos empregados que optaram pela mudança de função e lotação do plano de reestruturação, sendo usada pela Caixa para validar a função dos empregados.

Na quarta-feira (12), depois de mais de 11 horas de reunião com a CEE/Caixa, a direção do banco não respondeu às perguntas dos empregados e não aceitou parar a reestruturação, colocando os trabalhadores em risco. Sem negociar, a direção do banco encerrou a reunião, provocando ainda mais revolta no funcionalismo do banco público que aderiu às atividades de protesto, vestindo preto e paralisando as atividades parcialmente nesta quinta-feira.

A secretária geral do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Silvana Ramalho, avaliou positivamente as atividades de protesto contra a reestruturação e em defesa da Caixa 100% pública. “Não somos contra à reestruturação da Caixa, desde que seja dentro de um processo negocial transparente, que respeite a sociedade, mantenha a função social do banco público e respeite a nossa Convenção Coletiva de Trabalho, assegurando a participação dos empregados e a manutenção dos nossos direitos. Hoje os bancários deram mais um recado, ao demonstrarem união, mobilização e disposição de luta pela manutenção da Caixa 100% Pública”, concluiu.

Fonte: Seeb – PB