Crédito: Seeb Rio
Seeb Rio
Mobilização dos bancários, durante Rio+20, no centro do Rio

Enquanto governantes internacionais da Rio+20 rejeitam verbas para o desenvolvimento sustentável do planeta em função da crise econômica criada pelos bancos e prometem o que não cumpriram há exatamente 20 anos, na Rio Eco 92, trabalhadores do Brasil e de vários países se mobilizam em defesa de uma proposta concreta e viável para defender o meio ambiente e garantir qualidade de vida para todos.

Organizado pelos bancários, o ato público realizado na última terça-feira (19), em frente ao prédio da Caixa Econômica Federal, na Av. Almirante Barroso, no Centro do Rio, culpou o atual modelo capitalista pela degradação do meio ambiente e pelas desigualdades sociais no mundo.
Os manifestantes defendem a criação de um imposto sobre grandes operações e especulações financeiras, a chamada taxa Robin Hood, a fim de garantir investimentos para o desenvolvimento sustentável e serviços públicos de qualidade para todos e propor um novo modelo econômico e social mundial.

Clique aqui para ver o vídeo sobre o evento.

A presidente em exercício do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, Adriana Nalesso, falou da satisfação dos bancários do Rio de terem sido os anfitriões de um ato público tão importante.

"Recebemos pessoas de todo o mundo numa manifestação legítima para dizer que não aceitamos mais este sistema financeiro e defendemos a cobrança de uma taxa sobre as grandes operações financeiras para reduzir as desigualdades no mundo", disse.

Renda Básica

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu também a Renda Básica de Cidadania (RBC), projeto de sua autoria, que prevê uma renda para todos os brasileiros. Aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Lula em 2004, a lei já existe. "Agora é preciso trabalhar para que este projeto seja implantado", ressalta Suplicy.

Bancos criaram a crise

O presidente Nacional da CUT Artur Henrique disse que quem criou a crise econômica foi o próprio sistema financeiro. "Na Europa querem culpar o sistema de proteção social ao trabalhador pela crise. A culpa é dos bancos, dos especuladores", destaca.

Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT, lembrou que no Brasil os bancos lucram mais do que em qualquer outro país. "Os bancos dobram de tamanho a cada três anos. Só com tarifas pagam duas vezes a folha de pagamento", denuncia.

"Pessoas de diferentes etnias, culturas e posições políticas estão unidas pela preservação do Planeta. Nós, sindicalistas, estamos preocupados também com uma espécie em extinção, o trabalhador formal. Sem ele não haverá rios, matas e vida, pois se depender do capital não há esperança para o futuro", disse a diretora da Contraf-CUT, Jô Portilho.

O evento contou ainda com Alessandra Nilo (diretora da ONG Gestos), Jean Ross (presidente da National Nurses United, EUA), ativistas canadenses, filipinos, colombianos e diversos representantes nacionais e estrangeiros de ONGs e entidades dos movimentos sociais.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Rio

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster