Foto: Fernando GalindoApós a ação, o quarteto fugiu com destino as cidades de Parelas e Equador no Rio Grande do Norte, mas não levaram o dinheiro – Mesmo com a apreensão de dinamintes, na região do Agreste da Paraíba, os bandidos continuam desafiando a Polícia e agindo com explosivos para arromabr agências bancárias.
 
Na cidade do Junco do Seridó (a 226 quilômetros de João Pessoa), a agência do Bradesco ficou completamente destruída após sofrer uma tentativa de assalto, na madrugada desta quarta-feira (20).
Foto: Fernando Galindo

Segundo o policial, por volta das 02h30, quatro homens em duas motocicletas chegaram no estabelecimento bancário montaram os explosivos e acionaram as bananas de dinamites.“Os criminosos exageraram na dose. Usaram muitas dinamites e o prédio do banco ficou completamente destruído. Ao lado fica a Câmara Municipal da cidade e a estrutura foi prejudicada”, comentou o policial.

O tenente disse que devido a forte explosão, o telhado e as paredes da agência desabaram. O terminal eletrônico ficou embaixo dos destroços impossibilitando a retirada das cédulas. “Pela situação que encontramos o local, acredito que eles não levaram o dinheiro porque nem o caixa dava pra ver. O poder de fogo dos bandidos foi grande”.
bradesco_junco1.jpg
Foto: Fernando Galindo

Após a ação, o quarteto fugiu efetuando tiros para o alto na tentativa de intimidar os moradores. Eles não colocaram grampos na estrada. Os criminosos fugiram com destino as cidades de Parelhas e Equador, no visinho estado do Rio Grande do Norte. Policiais da Paraíba e RN fizeram rondas, mas não obtiveram êxito.

Pelo levantamento do Sindicato dos Bancários da Paraíba , essa explosão foi o quarto crime contra bancos na Paraíba este mês e a 20ª ocorrência no ano, sendo: 7 explosões (4 no Banco do Brasil, 1 na Caixa e 2 no Bradesco), 5 arrombamentos (1 no Bradesco, 1 no Itaú, 1 no HSBC e 2 no Santander), 2 assaltos (Bradesco) e 6 tentativas de arrombamento/explosão (2 no Banco do Brasil, 2 no Bradesco e 2 no Santander).

Na última segunda-feira (18), o Ministério Público da Paraíba e a Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social, cumpriram na última segunda-feira (18), três mandados de busca e apreensão para combater o comércio irregular de explosivos nos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte. Os mandados de busca e apreensão na Paraíba foram cumpridos justamente em Junco do Seridó (na região da Borborema) e em Lagoa de Dentro (Agreste paraibano).

De acordo com o promotor de Justiça Octávio Paulo Neto, coordenador do Gaeco, duas pessoas já estão detidas e 25 quilos de explosivos (nitron, utilizado para fabricar dinamite artesanal), espoletas usadas para detonar os explosivos e duas espingardas foram apreendidos. Conforme as investigações, o material estava sendo vendido em mineradoras e garimpos para grupos criminosos especializados em explosões de agências bancárias.

 Na região, existem pelo menos cinco mineradoras atuando legamente. O município faz divisa com cidades do Rio Grande do Norte. O principal suporte da economia é a mineração, principalmente a do caulim –  minério composto de silicatos hidratados de alumínio, como a caulinita e a haloisita, e apresenta características especiais que permitem sua utilização na fabricação de papel, cerâmica, tintas etc. Na industria de papel é utilizado como material de enchimento (carga).

De acordo com o IBGE, a população de Junco do Seridó foi estimada em 6.643 habitantes. Sua área territorial é de 160 quilômetros quadrados.

 
Fonte: SEEB – PB, com Portal Correio

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster