Ao chegar ao Banese, em 2007, o então presidente do banco, João Andrade, botou em prática um pacote de maldades que prejudicou os comissionados e gerou um passivo trabalhista de quase R$ 10 milhões. Ao sair, deixou novo pacote, mas, desta vez, empurrou para o novo presidente assumir. Foi o primeiro ato de Saumíneo Nascimento, e gerou reclamações a parte dos comissionados e aos não-comissionados.

"Todas as funções gratificadas foram reajustadas, com exceção do caixa-executivo e do compensador. Sendo o maior reajuste de 103% e o menor de 21%. Por outro lado, há informações de que o pagamento das comissões de seguros e a ajuda de custo para os comissionados que trabalham nas agências do interior estão sendo suspensos", informa José Souza, presidente do Sindicato dos Bancários de Sergipe (Seeb/SE).

De acordo com a decisão, o pagamento do auxílio-moradia será pago diretamente ao dono do imóvel que o alugou e não mais aos funcionários. Inicialmente passaria a ser pago apenas para membros da direção geral e primeiros gestores. Além disso, membros da direção geral tiveram o reajuste da comissão e não perderam nada, enquanto membros das agências da capital tiveram o reajuste da comissão, mas perderam a comissão dos seguros. E membros das agências do interior tiveram o reajuste da comissão, mas perderam a comissão dos seguros e perderão a ajuda de custo que recebiam. Isso gerou uma enxurrada de reclamações.

Durante a visita de Saumíneo à diretoria do Sindicato, o presidente José Souza questionou ao presidente sobre esse plano e o que poderia ser feito para rever o prejuízo gerado aos funcionários. Na primeira reunião entre o corpo gerencial do Banese com Saumíneo e o novo diretor Rodrigo Corumba, ocorrida no último dia 2 no Centro Administrativo do Banese, a direção do banco afirmou que iria promover um ajuste nas comissões.

Como existe um prazo de carência de três meses, até lá esperamos que Saumíneo, que está mostrando boa vontade de acertar, reveja as distorções e os prejuízos causados aos funcionários.

O Sindicato de Sergipe tomou conhecimento também de que há um plano de terceirização dos postos de serviços. Dentre eles, o do Fórum Sabino Ribeiro e da Jucese. Esse PS presta um relevante serviço ao Poder Judiciário, especialmente na captação de depósito judicial. A idéia, segundo soubemos, é de transferir os serviços para os pontos Banese. É importante que o novo presidente reavalie essa idéia, pois ela pode trazer prejuízos para o banco.

Autorização de serviços nas agências Banese

O diretor de Desenvolvimento Humano e Organizacional – DIDEH – do Banese, Rodrigo Corumba, passou ao presidente do banco, Saumíneo Nascimento, as informações sobre as autorizações de serviços nas agências.

"Nessas duas semanas à frente da DIDEH, recebemos dezenas de demandas de reformas, consertos e melhorias nas instalações físicas das agências. Estamos agilizando o atendimento dessas demandas, ao mesmo tempo em que estamos estruturando uma forma de trabalho que nos dê mais agilidade para melhor lhes atender", adianta Rodrigo.

Segundo ele, já foram encaminhadas algumas ações e outras estão sendo providenciadas. Rodrigo prometeu visitar todas as agências e verificar in loco a situação de cada uma delas. Porém, na sua relação faltou o posto de Muribeca, que está com ar-condicionado quebrado a mais de um mês.

Fonte: Edivânia Freire – Seeb/SE

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster