O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, se reúne nesta quarta-feira, dia 7, às 15h, com a Fenaban, em São Paulo, para discutir o projeto-piloto de segurança bancária, uma das conquistas da Campanha Nacional dos Bancários 2012. Os bancos indicaram as cidades de Recife, Olinda e Jaboatão para a sua implantação.

"Durante as negociações, os bancos concordaram em experimentar, através de um projeto-piloto, equipamentos e medidas de prevenção contra assaltos e sequestros que os bancários vêm reivindicando há muitos anos", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional. "O nosso foco é proteger a vida de trabalhadores, clientes e usuários", destaca.

"Reivindicamos melhorias na estrutura de segurança das agências e postos de atendimento, bem como ações para garantir a privacidade aos clientes na hora dos saques, como forma de combater o crime de ‘saidinha de banco’, que tem causado a maioria das mortes em assaltos envolvendo bancos", defende Cordeiro. Pesquisa nacional feita pela Contraf-CUT e Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) com base em notícias da imprensa registrou 27 assassinatos no primeiro semestre deste ano, o que é inaceitável.

Além do Comando Nacional, participará da reunião o Coletivo Nacional de Segurança Bancária da Contraf-CUT. Trata-se de importante espaço de participação de federações e sindicatos que tem contribuído nos debates nas mesas temáticas de Segurança Bancária com a Fenaban e nas reuniões da Comissão Consultiva de Assuntos de Segurança Privada (Ccasp) na Polícia Federal.

Mais prevenção

Dentre os equipamentos defendidos pelos trabalhadores, muitos já instalados em várias unidades por força de leis municipais e da mobilização de bancários, vigilantes e sociedade, destacam-se a porta giratória com detectores de metais antes do autoatendimento, câmeras internas e externas com monitoramento em tempo real fora do local controlado, vidros blindados nas janelas e fachadas externas, biombos entre a fila de espera e a bateria de caixas, e divisórias opacas entre os caixas eletrônicos, dentre outras.

"Também queremos abertura e fechamento das unidades por empresas especializadas em segurança, fim da guarda das chaves por bancários e vigilantes, escudo de proteção com assento para vigilantes e isenção de tarifas de transferência de recursos (DOC, TED) para reduzir saques e evitar que clientes sejam alvos de assaltantes", aponta Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária.

"O projeto-piloto será uma boa oportunidade para mostrar aos bancos a importância e a eficiência das medidas que os trabalhadores vêm defendendo contra assaltos e sequestros, pois não é possível trabalhar em ambientes inseguros e vulneráveis, expondo a vida das pessoas ao ataque de quadrilhas cada vez mais atrevidas, aparelhadas e explosivas", conclui Ademir.

Reunião do Comando Nacional e do Coletivo Nacional

Antes da negociação, o Comando Nacional e o Coletivo Nacional se reúnem nesta quarta-feira, às 9h30, na sede da Contraf-CUT, para preparar os debates com os bancos.

Fonte: Contraf-CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster