A Contraf-CUT e o Seeb/SP fizeram um ato hoje pela manhã no Centro Empresarial localizado na zona sul de São Paulo, na Unidade da Fidelity para cobrar mais respeito aos funcionários e reivindicar melhores condições de trabalho, remuneração e a convocação da empresa à negociação com os representantes dos trabalhadores.

No local trabalham cerca de 1.500 trabalhadores que realizam os serviços de callcenter para o Bradesco e o Grupo Santander. Na unidade também fica o seu presidente o Sr. Reginaldo Zero.

No ato, foram distribuídos cerca de 3.500 jornais aos trabalhadores e a população em geral e utilizados faixas para mostrar a falta de respeito da Fidelity que insiste em não negociar.

"Esta é mais uma das atividades entre uma série que estão sendo programadas para tentar sensibilizar a direção da empresa em ouvir as reivindicações dos trabalhadores, por sabermos que estas atividades são indiscutivelmente de natureza bancária", diz Lindiano José da Silva, diretor da Contraf/CUT.

"Os Bancos sempre acham pouco seus lucros astronômicos e usam desses artifícios com o único objetivo de reduzir custos com a não aplicação do acordo coletivo dos bancários a esses trabalhadores, o que eles tem por direito", finaliza Lindiano.

Fonte: Contraf/CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster