Um projeto de lei de segurança privada será entregue nesta terça-feira, dia 14, pela Contraf-CUT e a Confederação Nacional dos Trabalhadores Vigilantes (CNTV) ao ministro da Justiça, Tarso Genro, durante audiência em Brasília. A iniciativa reúne as propostas dos trabalhadores para a atualização da lei federal nº 7.102/83 que trata da segurança nos estabelecimentos bancários.

Estarão presentes o secretário de imprensa da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr, e o presidente da CNTV, José Boaventura dos Santos. Também participarão dirigentes sindicais das duas categorias.

"Construímos um projeto conjunto e alternativo, a partir das primeiras versões do projeto de estatuto da segurança privada da Polícia Federal, buscando em primeiro lugar a proteção da vida de bancários, vigilantes e clientes dos bancos. Queremos avanços e nenhum retrocesso para combater a violência que apavora os trabalhadores e a sociedade", afirma o dirigente da Contraf-CUT.

"Propomos a ampliação dos equipamentos de prevenção, como a obrigatoriedade da porta de segurança com detector de metais e vidros blindados, instalada em todos os acessos destinados ao público, inclusive a sala de autoatendimento", destaca. "Os bancos, que permanecem lucrando, têm que colocar a propaganda da responsabilidade social em prática, fazendo por exemplo investimentos pesados em segurança", defende Ademir. "Chega de mortes, feridos e pessoas traumatizadas por ataques a bancos".

Fonte: Contraf-CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster