A CUT realiza amanhã, dia 15, e quarta, dia 16, mobilizações em Brasília para pressionar os parlamentares a votar um salário mínimo maior que R$ 545. Amanhã, a partir das 14, ato na comissão especial. Quarta, dia de votação, manifestações começam pela manhã. As centrais reivindicam R$ 580.

Na Câmara dos Deputados vai acontecer amanhã, a partir das 15h, reunião da comissão especial que vai debater o salário mínimo e encaminhar a votação ao plenário. Participam dessa reunião, além de parlamentares e o ministro Guido Mantega, representantes das centrais sindicais. O presidente da CUT, Artur Henrique, vai representar a Central.

Ao mesmo tempo em que a comissão estiver reunida, dirigentes e militantes realizam mobilização no interior do Congresso. A CUT pretende reunir aproximadamente 200 dirigentes, que vão se concentrar a partir das 14h na portaria dos anexos 2 e 4 da Câmara.

Já na quarta, as atividades começam pela manhã. Milhares de manifestantes, todos trabalhadores públicos federais, fazem o lançamento da campanha salarial nacional unificada do funcionalismo. Às 9h, reúnem-se diante da Catedral. De lá, aproximadamente uma hora depois, iniciam caminhada rumo ao Congresso Nacional, diante do qual farão ato político em defesa da valorização dos servidores e também por aumento real no salário mínimo.

Durante toda a quarta-feira, dia em que o salário mínimo 2011 irá a votação em plenário, dirigentes e militantes da CUT estarão mobilizados no Congresso Nacional com o objetivo de influenciar a votação.

Negociações continuam – Há um impasse em relação ao salário mínimo 2011, com o governo federal insistindo em R$ 545. Porém, outros pontos da pauta mantida neste início do ano com as centrais e o governo permanecem em processo de negociação: correção da tabela do imposto de renda; garantia da manutenção da política de valorização do salário mínimo para os próximos anos e criação de uma política de longo prazo para valorizar as aposentadorias.

Fonte: CUT Nacional

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster