Crédito: Seeb São Paulo
Seeb São Paulo
A Contraf-CUT e a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) avaliaram positivamente as atividades realizadas em todo país pelos sindicatos de bancários e vigilantes na quarta-feira (21), dia nacional de luta por mais segurança nos bancos. As entidades sindicais promoveram manifestações, distribuíram jornais, participaram de audiências públicas e dialogaram com trabalhadores, clientes, parlamentares e população.

"O balanço preliminar que fizemos revela que o dia nacional de luta motivou inúmeros protestos dos bancários e vigilantes, denunciando o descaso dos bancos que ainda consideram as despesas de segurança como custo e não como investimento na proteção da vida de trabalhadores e clientes", avalia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT.

Ocorreram manifestações em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Fortaleza, Cuiabá, Londrina, Campinas e Dourados, dentre outras cidades.

"Merece destaque a ousadia e a criatividade dos sindicatos em retratar o risco que representa a retirada de portas giratórias nas agências e nos postos de atendimento. Realmente, essa medida só pode agradar aos assaltantes de banco, pois terão livre acesso para atacar os estabelecimentos, aumentando o medo e a insegurança", salienta.

"Cobramos os bancos, especialmente o Itaú, o Bradesco e o Banco do Brasil, para que abandonem essa estratégia que só atende questões estéticas dos bancos, mas fragiliza a segurança e certamente vai aumentar o número de assaltos, como comprova a própria estatística nacional da Febraban", sustenta Cordeiro.

Para Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, a mobilização foi importante para estreitar ainda mais a parceria com os vigilantes e reforçar as lutas por mais segurança nos bancos. "Também foi importante o lançamento da 2ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos, feita pela CNTV e Contraf-CUT, amplamente divulgada pelos sindicatos, na medida em que escancara a onda de assaltos e arrombamentos e reforça a necessidade de mais investimentos dos bancos para a prevenção de assaltos e sequestros", aponta.

A pesquisa aponta 1.591 ataques em 2011, uma média de 4,36 por dia, sendo que 632 foram assaltos (inclusive com sequestro de bancários e vigilantes), consumados ou não, e 959 arrombamentos de agências, postos de atendimento e caixas.

Outro destaque foi a distribuição da edição especial do Jornal dos Bancários e Vigilantes do Brasil, elaborada pelas duas confederações. O material reforça a preocupação dos trabalhadores com a retirada das portas giratórias, denuncia o abismo entre os lucros gigantescos e as despesas de segurança dos cinco maiores bancos, analisa as estatísticas de assaltos da Febraban, cobra responsabilidade social dos bancos e aponta que a vida das pessoas deve ser colocada em primeiro lugar.

Clique aqui para ler a edição especial do jornal.

"A mobilização ressaltou também a importância e garantir a instalação de portas giratórias e outros equipamentos de segurança, por meio da aprovação de leis municipais e estaduais", salienta Cordeiro. "Também queremos que esse equipamento seja item obrigatório no projeto de lei de estatuto de segurança privada, que está sendo elaborado pelo Ministério da Justiça para atualizar a lei federal nº 7.102/83", destaca.

O movimento ajudou ainda a combater o crime da "saidinha de banco", responsável por 32 das 49 mortes em assaltos envolvendo bancos em 2011 em todo país. "Queremos privacidade nas operações de saques, através da instalação de biombos entre a fila de espera e os caixas e colocação de divisórias opacas e individualizadas entre os caixas eletrônicos", conclui Cordeiro.

Veja as notícias sobre manifestações dos sindicatos no site da Contraf-CUT:

> Protesto em São Paulo denuncia negligência de bancos com segurança

> Bancários e vigilantes protestam contra insegurança nos bancos do Rio

> Bancários e vigilantes do DF protestam contra insegurança nas agências

> Audiência pública no PR debate segurança e explosão de caixas eletrônicos

> Bancários param agência do Bradesco e cobram mais segurança no Ceará

> Bancários paralisam Itaú e Bradesco contra insegurança em Recife

> Bancários de Cuiabá exigem biombos e portas giratórias em Dia de Luta

> Bancários param agências e cobram mais segurança em Belo Horizonte

> Em Porto Alegre, bancários e vigilantes protestam e cobram mais segurança

> Bancários apontam descaso dos bancos na segurança em Campinas

> Bancários cobram portas giratórias no Itaú e Bradesco em Londrina

> Bancários e vigilantes defendem portas giratórias em Dourados

Fonte: Contraf-CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster