A notícia de que o governo americano poderá se tornar acionista majoritário dos bancos abalou os mercados financeiros. Os principais indicadores da Bolsa de Nova York, o Dow Jones e o S&P 500, fecharam com forte queda, recuando para o menor patamar desde maio de 1997, período da crise financeira asiática. O Dow caiu 3,4%, para 7.114 pontos, e o S&P 500, 3,5%, para 743 pontos. O índice das empresas de tecnologia Nasdaq recuou 3,71%, para 1.387 pontos.

Também pesou a informação divulgada pela rede CNBC de que a seguradora American International Group (AIG) pode ter que pedir falência se o governo não der mais recursos. Na Europa, Frankfurt caiu 1,95%, Londres, 0,99% e Paris, 0,82%.

Na contramão do resto do mercado, as ações de Citigroup e Bank of America (BofA) reagiram bem ao anúncio do pacote americano. Especialmente pela garantia de que o governo não deixará que as instituições quebrem. Os papéis do Citi fecharam em alta de 9,74% e os do BofA subiram 3,17%.

Enquanto economistas argumentam que estatizar bancos com problemas é a solução mais rápida para reativar o fluxo de crédito, muitos investidores temem que uma intervenção governamental traria um efeito negativo aos negócios.

– Se o governo disser que o banco precisa de mais capital, é altamente improvável que qualquer fonte privada se apresente, devido ao estigma (de uma instituição controlada pelo Estado) – disse Andrew Busch, analista do BMO Capital Markets, em Chicago.

Decisão de estatizar será negociada

Antes, o governo havia previsto apenas que o dinheiro público injetado nos bancos pudesse ser transformado em ações preferenciais, que pagariam juros mais elevados ao governo no futuro, quando essas instituições estivessem em melhor situação e pudessem recomprar seus papéis, remunerando-o pelo dinheiro recebido. Agora, as autoridades determinaram que estas ações preferenciais possam ser transformadas em ações ordinárias em casos mais complicados.

Apesar de abrir caminho para a estatização, as autoridades financeiras americanas destacaram que o processo de transformação de dinheiro em ações ordinárias nos bancos será uma decisão preferencialmente voluntária, tomada em consenso entre os executivos dos bancos e os representantes do governo caso a caso.

Mas há fortes razões para que alguns bancos, em situação de liquidez mais delicada, acabem optando pelo controle estatal. Segundo especialistas no mercado financeiro americano, as empresas que trocarem a injeção de recursos por ações ordinárias podem reduzir os dividendos distribuídos aos acionistas, controlar e diminuir de forma excepcional a bonificação de executivos, melhorar a avaliação da instituição junto ao mercado (com o governo de sócio, quem vai acreditar numa quebra?). Além disso, muitos investidores podem aproveitar a entrada do governo no capital para investir também, garantindo uma melhor remuneração para suas aplicações no setor bancário.

Nenhum banco foi citado nominalmente, mas a mídia americana passou os últimos dois dias dando como certo que o governo negocia uma maior participação no Citigroup. O "Wall Street Journal", por exemplo, disse que os contribuintes americanos podem acabar com 40% do banco, enquanto os executivos do grupo brigam para que a fatia do banco nas mãos do governo não passe de 25%.

Num comunicado conjunto, o Departamento do Tesouro, o Federal Reserve (banco central americano) e outras três agências reguladoras afirmaram que o chamado "teste de estresse" nos maiores bancos do país começa amanhã. Representantes de todas as agências reguladoras do sistema financeiro vão iniciar um estudo das carteiras de empréstimos e de investimentos de cada instituição para determinar o volume e a extensão dos créditos de difícil recebimento que podem colocar a instituição em risco de insolvência. Mas as autoridades trataram de evitar um pânico de correntistas e investidores ao garantir que nenhuma instituição vai quebrar:

"O governo dos EUA está lado a lado com o sistema bancário neste período de problemas financeiros, para assegurar que os bancos vão dar conta da sua principal função, que é dar crédito a famílias e negócios. Mais ainda, reiteramos a nossa determinação de preservar a viabilidade das instituições financeiras importantes, para que elas sejam capazes de cumprir os seus compromissos", diz o comunicado do Tesouro.

Em Nova York os ADRs (recibos de ações de empresas de fora dos EUA) das principais empresas brasileiras caíram. Os recibos da Petrobras, despencaram 6,22% e os da Vale, 11,76%, com a queda dos preços de matérias-primas.

Ontem o presidente Obama disse que recursos do pacote de estímulo econômico de US$787 bilhões devem ser enviados em dois dias para ajudar os estados do país a pagar o Medicaid (programa de assistência médica).

Quarta-feira nossa administração começa a distribuir mais de US$15 bilhões em auxílio federal para ajudar vocês a cobrirem custos dos programas do Medicaid – afirmou Obama em reunião com governadores.

Ele disse que nomeará o vice-presidente, Joe Biden, para fiscalizar o plano de estímulo e nomeou o ex-agente secreto Earl Devaney para acompanhar o uso dos fundos.

Fonte: O Globo / Colaboração de Felipe Frisch, com agências internacionais

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster