Contrariando afirmação feita por seus representantes em reunião recente com o movimento sindical, o banco HSBC está fechando dezenas de agências em todo o país. Somente em São Paulo foram 17 agências fechadas na semana passada. Também foram extintas unidades em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Paraná e outros estados, com mais de duzentos bancários perdendo seus empregos – inclusive trabalhadores lesionados e em estabilidade pré-aposentadoria.

"A atitude do HSBC é um desrespeito aos trabalhadores brasileiros, que deram ao banco lucro recorde no Brasil no ano passado e ajudaram a aliviar os prejuízos da matriz na Inglaterra", diz Sérgio Siqueira, diretor da Contraf/CUT e funcionário do banco.

Cidades                 Fechamento de Agências Demissões
Niterói  3  15
São Paulo  17  82
Ceará  1  8
Baixada Fluminense  5  35
Porto Alegre  3  12
Pernambuco  1  7
Carlópolis (PR)  1  2
Mato Grosso  2  –
Rio de Janeiro  4  15
Seropédia (RJ)  1  1

*dados atualizados às 15h. Há ainda várias outras demissões ocorrendo pelo país em que não houve o fechamento de agências.

HSBC – Basta de demissões, explorações e falta de respeito!

A situação dos funcionários do HSBC já é péssima do ponto de vista das condições de trabalho e o principal motivo é a falta de trabalhadores. "O banco está fechando agências e demitindo, mas não vai diminuir o número de clientes. A sobrecarga e o estresse dos bancários só vai aumentar", afirma Sérgio.

A truculência do banco inglês no tratamento de seus funcionários já havia sido demonstrada recentemente, com a decisão unilateral de descontar da PLR os programas próprios de remuneração atrelados ao cumprimento de metas. "Bancários que haviam se matado de trabalhar o ano todo descobriram ao receber a PLR que o esforço havia sido em vão. Muito não receberam nada de PPR", afirma Sérgio. Enquanto isso, diretores do banco e regionais receberam alguns milhões de participação nos lucros.

Fonte: Contraf/CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster