A receita dos três maiores bancos brasileiros com juros é desproporcional ao tamanho deles, em comparação com instituições financeiras de outros países, conforme indica um levantamento da revista britânica The Banker.

O Itaú, apesar de ser só o 39º maior banco do mundo no ranking geral da revista, é o 13º quando o assunto é cobrança de juros. O conglomerado financeiro recebeu US$ 27,687 bilhões com empréstimos no ano passado.

O Banco do Brasil, 36º do mundo em tamanho, é o 14º em cobrança de juros, com US$ 23,73 bilhões. O Bradesco é o 16º nesse quesito (com US$ 21,247 bilhões no ano passado), mas apenas o 42º em tamanho.

Juntos, Itaú, BB e Bradesco ganharam US$ 72 bilhões com juros em 2012.

O indicador usado para definir o tamanho dos bancos é o chamado “capital de nível 1″, que inclui apenas a parcela dos ativos considerada de melhor qualidade.

China domina

Apesar da boa performance dos bancos brasileiros, os chineses dominam o topo do ranking de receita de juros, com cifras bem mais altas que a de Itaú, BB e Bradesco.

O ICBC, maior conglomerado financeiro do mundo, foi o que mais ganhou com juros – US$ 66,427 bilhões no ano passado. O segundo e o terceiro lugares também são da China.

Em seguida aparecem os americanos Citigroup, JP Morgan Chase, Wells Fargo e Bank of America. O primeiro europeu da lista é o espanhol Santander, ocupando o nono lugar.

Juros no Brasil

A taxa básica de juros no Brasil está hoje em 8% ao ano. O número é bem mais baixo do que os 45% alcançados em março de 1999, mas ainda superior à maior parte dos países. Em termos reais (descontada a inflação projetada), a taxa é a quarta mais alta do mundo, abaixo apenas de China, Rússia e Chile, em um ranking de 40 países elaborado pela MoneYou.

No ano passado, o setor público brasileiro gastou R$ 214 bilhões com juros aos credores, dos quais R$ 105 bilhões saíram dos cofres da União, Estados e municípios e o restante foi pago por rolagem (quando o governo faz novas dívidas para pagar as que estão vencendo), segundo o Banco Central.

Considerando os setores público e privado, existem hoje na economia brasileira R$ 2,5 trilhões em empréstimos e financiamentos, sendo R$ 1,1 trilhão tomados por pessoas físicas e R$ 1,4 trilhão por pessoas jurídicas.

Na média, os bancos que operam no Brasil pagam taxa de juros de 6,9% ao ano quando tomam dinheiro emprestado e cobram 18,1% quando emprestam, ainda segundo o BC. A diferença, atualmente em 11,2 pontos percentuais, é o chamado spread bancário. Ela ainda é considerada alta por muitos analistas. Há um ano, no entanto, girava na casa dos 15 pontos percentuais.

Apesar de, na média, os bancos cobrarem 18,1%, a taxa é muito mais alta para alguns segmentos. As pessoas físicas pagam, hoje, 136% ao ano no cheque especial (há um ano, a taxa era de 158%).

Fonte: Blog Achados Econômicos – UOL

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster