lucrosdinheiro.jpg
lucrosdinheiro.jpgPrimeiros balanços divulgados mostram que as demissões ocorridas no ano passado foram desnecessárias – Apesar da choradeira dos bancos menores, o lucro dessas instituições continuou crescendo em ritmo expressivo no ano passado, conforme os primeiros balanços divulgados. Com o agravamento da crise financeira internacional, esses bancos iniciaram um processo de demissão e diminuíram o crédito. Agora, com os balanços consolidados, é possível constatar que a crise passou ao largo desses bancos e as demissões foram completamente desnecessárias.

“Só entre setembro e novembro, as dispensas nas instituições financeiras de médio e pequeno porte em São Paulo e Osasco subiram 133% em relação ao mesmo período do ano passado. Mas, ao longo do ano, esses bancos engordaram os ativos e obtiveram rentabilidade histórica. Assim como nos anos anteriores, quando a lucratividade dessas empresas dispararam”, comenta Luiz Cláudio Marcolino, presidente do Sindicato.

O vice-presidente do BicBanco, Milto Bardini, disse que o ano de 2008 foi “excelente” porque os resultados obtidos permitiram reforçar as provisões para um futuro. No ano, o lucro líquido acumulado do banco foi de R$ 320,5 milhões, respeitáveis 76,2% acima de 2007.

O Daycoval teve um lucro de 237 milhões no ano passado, alta de 2,6% ante 2007. Os ganhos do banco Fibra no ano passado foram de 102 milhões, 48% a mais. Se o Fibra não tivesse feito provisões adicionais de R$ 33 milhões contra a inadimplência, o lucro seria 77% maior.

Apesar da lucratividade, a maioria dos bancos de médio e pequeno porte reduziu o crédito no quarto trimestre. A carteira do BicBanco, por exemplo, fechou o ano em R$ 8,1 bilhões, com aumento de 5,9% em relação a dezembro de 2007, mas 16,6% abaixo da posição de setembro. O Daycoval diminuiu sua carteira em 14% no quarto trimestre para fechar o ano em R$ 3,98 bilhões, 14,5% acima do patamar de dezembro de 2007. A redução recaiu sobre as operações com empresas que giram mais rápido. Tanto o Bic quanto o Daycoval informaram que a liquidez melhorou neste ano.

“O governo tem tomado medidas para aumentar a circulação de crédito no país e ajudar os bancos. Apesar disso, essas empresas não têm mostrado responsabilidade social. No último dia útil de 2008, por exemplo, o Conselho Monetário Nacional alterou a metodologia usada para cálculo de patrimônio mínimo das instituições como garantia de crédito, flexibilizando as exigências. A medida representa uma significativa ajuda aos bancos menores, que, entretanto, não repassaram esse benefício aos brasileiros, com mais crédito e juros menores e ainda provocaram centenas de demissões”, finaliza Marcolino.

Conforme pesquisa da agência de risco Austin Rating, o conjunto de nove instituições do segmento (BicBanco, Sofisa, Pine, Indusval Multistock, PanAmericano, Daycoval, ABC Brasil, Cruzeiro do Sul e Paraná Banco) registrou lucro líquido 61% maior no acumulado de 2008 até setembro, de R$ 1,51 bilhão, ante os R$ 935,63 milhões obtidos em igual período do ano anterior.

Fonte: SEEB – SP / Fábio Jammal Makhou

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster