Lupi reafirma apoio à posição da CUT frente à crise: "Nenhum direito a menos" – Em reunião com a executiva nacional da CUT na noite desta quinta-feira (22), o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, reafirmou o compromisso do governo brasileiro em enfrentar a crise gerada pelas "seqüelas da globalização", preservando emprego e renda da classe trabalhadora por meio da estruturação de um conselho de acompanhamento dos recursos públicos liberados às empresas, a fim de garantir contrapartidas sociais.

"Nossa compreensão é que quando se pede dinheiro público, tem que se prestar contas. Então, esta determinação governamental de que a empresa que recebe recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador não pode se servir do dinheiro para desempregar, é algo simples. O mínimo que temos de cobrar é a geração de emprego", ressaltou.

Conforme Lupi, além de representantes governamentais, o Conselho terá a participação de trabalhadores e empresários, "e deverá acompanhar minuciosamente a aplicação dos recursos do FAT, que tem R$ 160 bilhões de patrimônio e é o principal fomentador do BNDES".

O ministro condenou a miopia de setores minoritários do empresariado, "gente que tem a visão da idade da pedra", "que quer matar a galinha dos ovos de ouro propondo redução salarial": "se diminuir a renda, diminui o dinheiro em circulação, cai o consumo e, consequentemente, a crise se agrava. As próprias empresas iriam perder". O caminho é outro, ressaltou Lupi, citando o caso da política de valorização do salário mínimo, acordada com as centrais sindicais: "com o aumento para R$ 465,00 vamos ter mais gente comprando, mais emprego garantido, mais gente acreditando na capacidade do nosso país". Questionado sobre os dispositivos que poderão ser utilizados para frear os impulsos recessivos presentes em alguns empresários que se aproveitam de créditos e isenções públicos para demitir, o ministro lembrou que, entre outros mecanismos, a lei já prevê a cobrança da antecipação de pagamento e aumento das taxas.

"O fato é que com a redução de IPI a venda de automóveis em janeiro de 2009 foi quase igual a de 2008, quando estavam no auge. O comércio em dezembro do ano passado vendeu 5% a mais do que em 2007, quando as vendas foram recordes. Isso demonstra que estão querendo se aproveitar da crise", lembrou o ministro, condenando a postura oportunista de alguns empresários. O comportamento da Vale do Rio Doce também foi reprovado: "a Vale ganhou muito em 2005, 2006, 2007 e 2008 e agora se precipita por causa de uma crise internacional e propõe redução de salários. A empresa tem que pensar mais pois entre seus acionistas está a Previ, o BNDES. Precisa ser mais cuidadosa antes de radicalizar".

O presidente da CUT, Artur Henrique, falou da satisfação "de ter no ministro um parceiro das propostas que nossa Central tem defendido junto ao governo e aos empresários. São propostas no sentido de que o Brasil fortaleça o mercado interno como uma das medidas importantes neste momento para a superação da crise". Segundo Artur, "a crise afeta os setores de forma diferente, por isso em nossa opinião deve ser feita uma análise caso a caso, setor por setor, empresa por empresa". "Nós entendemos que para fortalecer o mercado interno é fundamental manter o emprego e a renda dos trabalhadores. Neste sentido algumas propostas ganharam coro com o ministro do Trabalho, que cobrou contrapartidas sociais das empresas beneficiadas por empréstimos ou do acesso a fundos públicos como o FGTS, o FAT ou mesmo empréstimos de bancos públicos como o BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica".

Artur avaliou a queda de 1% na Selic como conseqüência da pressão popular, mas lembrou que "ainda temos os juros mais altos do mundo e o Brasil precisa de uma queda mais acentuada". "Hoje aprovamos no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social uma recomendação de que a próxima reunião do Copom não seja daqui a 45 dias, que ela seja antecipada para que a redução aconteça de forma mais acelerada. Cobramos também responsabilidade social dos bancos para que se estabeleça imediatamente a redução do spread bancário, a fim de que possamos fazer com que o consumo e a produção se fortaleçam e a economia continue a girar", acrescentou.

Fonte: Leonardo Severo – CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster