Nesta quinta-feira (12) as mulheres trabalhadoras da CUT e de outras centrais irão a Brasília para mais um passo na construção de igualdade de oportunidades. Duas atividades temáticas irão acontecer no Congresso Nacional.

Na parte da manhã, às 9h30, na Câmara dos Deputados, acontecerá a “Audiência Pública” aprovada pelo regimento 97/15.

Com a participação da representante do Fórum Nacional de Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais, como expositora, o evento é para debater sobre a passagem dos 20 anos da Conferência Mundial sobre A Mulher de Pequim, que aconteceu em 1995, e o atual estágio dos acordos e convenções assinados pelo Governo Brasileiro que tratam sobre igualdade de gênero nas relações de trabalho.

“Muitas coisas melhoraram nos últimos 12 anos, políticas públicas que empoderam as mulheres foram executadas pelo Governo Federal. Programas como Minha Casa Minha Vida e a Política Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), que as mulheres são titulares, dão autonomia econômica, pois sem a independência econômica das mulheres não haverá igualdade”, contou a secretária de Mulheres Trabalhadoras da CUT, Junéia Martins.

“Mas ainda temos muita luta pela frente. Por exemplo, a violência contra as mulheres ainda não acabou, pelo contrário, quando você faz o recorte racial nos últimos 10 anos é ainda pior. Temos que pensar e discutir mais sobre isso e a audiência pública será um bom lugar para isso”, destacou Junéia.

Aproveitando o momento, também está previsto um debate sobre a proposta da CIPI (Comissão Interna para a Promoção da Igualdade), organização feminina no local de trabalho.

No mesmo dia, às 14 horas, no hall da Taquigrafia, acontecerá o lançamento da Campanha pela Ratificação da Convenção 156 de 1981 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que trata da igualdade de oportunidades e de tratamento para trabalhadoras e trabalhadores com responsabilidade familiares.

As propostas da saíram na última reunião do Fórum Nacional das Mulheres das Centrais Sindicais, no mês passado.

Para Junéia a Convenção 156 é uma ferramenta importante para garantir a autonomia econômica das mulheres. “Esta política traz um pouco da responsabilidade de igualdade e oportunidade entre homens e mulheres”, finalizou a dirigente.

Serviços no Congresso Nacional:

Audiência Pública às 9h30, no Plenário 3, anexo II

Lançamento da Campanha pela Ratificação da Convenção 156 às 14 horas, no hall da Taquigrafia

Fonte: CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster