Crédito: Seeb Pará
Seeb Pará
Primeira rodada discute várias reivindicações dos funcionários

A mesa de negociação específica da Campanha 2014 com o Banco do Estado do Pará teve início na tarde desta sexta-feira (5) em Belém. O Sindicato dos Bancários do Pará, a Contraf-CUT e a Fetec-CUT Centro Norte estiveram presentes e foram decisivas para debater a maioria das cláusulas sociais da minuta nesta primeira reunião. A Associação não compareceu, mesmo tendo tomado conhecimento da rodada inaugural.

Para a presidenta do Sindicato, Rosalina Amorim, “todas as entidades sindicais tiveram participação decisiva na mesa, pois conseguimos debater grande parte das pautas sociais que são de grande relevância para o funcionalismo do Banpará. Porém, é imprescindível que a categoria esteja mobilizada e acompanhe o andamento de todas as mesas de negociação, pois somente com o engajamento de todos e todas será possível fecharmos essa campanha com avanços para os trabalhadores”.

O secretário de Relações de Trabalho da Contraf-CUT, Adilson Barros, avalia que “a tendência a partir de hoje é que a nossa campanha no Banpará ganhe ainda mais fôlego, tendo em vista que a primeira rodada foi considerada positiva, mas estamos em um momento político no país e no estado, e o Governo do Pará tem interesse em que não tenhamos greve no banco, mas nós trabalhadores não sairemos dessa campanha sem que nossas pautas sejam de fato atendidas, e se necessário for fazer a greve para alcançarmos nossa vitória, faremos por tempo indeterminado sim”.

Para a representante da Fetec-CN e funcionária do Banpará, Vera Paoloni, “começamos positivamente a negociação no Banpará, com a direção do banco demonstrando respeito à pauta de reivindicações e avançando na análise e respostas a diversos pontos. Mantenhamos a unidade da categoria e vamos em frente porque é sempre válida a máxima de orai, vigiai e lutai”.

A próxima rodada com o Banpará será no próximo dia 12, às 14 horas.

Confira o resumo do que foi debatido na negociação:

ARTIGO 5º. ISENÇÃO DE TARIFAS E JUROS PARA OS FUNCIONÁRIOS – O banco diz que já atende o pedido e que por isso não vê obrigatoriedade em fazer proposta diferente aos 0,83% de isenção aos trabalhadores, o que também contempla aos aposentados.

ARTIGO 6º. FREQÜÊNCIA LIVRE DO DIRIGENTE SINDICAL – Banco concorda em liberar 4 dirigentes para o Sindicato e 1 para a Federação.

ARTIGO 7º. DELEGADO SINDICAL – Banco mantém a cláusula e reconhece a figura do suplente.

ARTIGO 8º. LIBERAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES SINDICAIS – Redação da cláusula será mantida.

ARTIGO 17. PAGAMENTO DE CAIXA EM SUBSTITUIÇÃO OU TREINAMENTO – A redação da cláusula será mantida, com a inclusão de trabalhadores em treinamento prático.

ARTIGO 20. COMISSÃO ESPECIAL – Banco atenderá pedido da categoria em 90 dias, exceto quando o funcionário for punido em processo administrativo disciplinar.

ARTIGO 22. PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS – Banco afirma que será mantido o GT/PCS e que irá contratar consultoria para acompanhamento dos trabalhos do grupo. O parágrafo 6º dessa cláusula será retomado na próxima reunião.

ARTIGO 23. PAGAMENTO DO SOBREAVISO – Banco disse que manterá o que está previsto em Lei e que esse ponto não fará parte da redação final do ACT.

ARTIGO 24. IMEDIATA EFETIVAÇÃO NAS FUNÇÕES – Banco concorda em atender o pedido da categoria na forma que está na minuta.

ARTIGO 26. AUXÍLIO ALUGUEL – Banco diz que já atende e que incluirá o direito ao auxílio para os trabalhadores que se deslocarem do interior par a capital, com limite de até 3 anos.

ARTIGO 27. AJUDA DESLOCAMENTO E COMUNICAÇÃO – Banco disse que já atende nos normativos internos.

ARTIGO 28. ABONO ATIVIDADE FÍSICA – Banco diz que atende e irá pagar abono no valor de R$ 100,00 e que garante o ressarcimento da referida despesa no prazo máximo de 10 dias após a comprovação da utilização do benefício.

ARTIGO 29. AUXÍLIO PARA FUNCIONÁRIOS COM DEPENDENTES DEFICIENTES – Banco aceita reajustar auxílio para R$ 800,00.

ARTIGO 32. DA NÃO COMPROVAÇÃO DO BENEFÍCIO AUXÍLIO-CRECHE/BABÁ – Banco concorda em eximir o funcionário da comprovação do auxílio creche/babá.

ARTIGO 33. AUXÍLIO EDUCAÇÃO – Banco não concordou em atender ao pedido dos trabalhadores, que querem que R$ 300,00 quem possui filhos em idade escolar até o ensino médio, e o valor de R$ 500,00 para quem tem filhos no ensino superior.

ARTIGO 34. DO ADICIONAL NOTURNO – Banco diz que cumpre a lei sobre o tema e que seguirá a Fenaban para esse ponto.

ARTIGO 37. TERCEIRIZADOS E ESTAGIÁRIOS – Banco diz que não atende ao pedido, mas o Sindicato apresentará uma nova proposta para esse ponto.

ARTIGO 38. JORNADA DE TRABALHO REDUZIDA PARA CARGOS COMISSIONADOS/GRATIFICADOS/CONFIANÇA – Será tratado em mesa específica sobre o assunto.

ARTIGO 39. COMBATE EFETIVO À VIOLÊNCIA ORGANIZACIONAL – Será mantida a redação do Acordo de Trabalho anterior, com a inclusão do parágrafo 6º da minuta atual, que fala sobre a criação de uma cartilha de combate à violência organizacional, no prazo de 90 (noventa) dias após a assinatura do acordo.

ARTIGO 41. AMPLIAÇAO DO PERÍODO DE AMAMENTAÇAO PARA 24 MESES – Banco diz que será previsto conforme a Fenaban. Esse ponto será retomado na próxima reunião.

Fonte: Seeb Pará

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster