O discurso de responsabilidade socioambiental amplamente difundido pelos banqueiros em caríssimas campanhas publicitárias não parece estar dando o efeito desejado. Segundo pesquisa feita pelo Instituto Datafolha a pedido da Organização Não Governamental (ONG) Amigos da Terra, 81% dos ouvidos acham que os bancos não fazem o suficiente e só 5% julgam que eles se preocupam bastante com o assunto.

Além da descrença direta com o discurso, 89% desconfia que os bancos estão preocupados com a imagem de responsáveis ambientais e não com a prática. Deste total, 58% acreditam que os bancos gastam mais dinheiro com propaganda do que com ações divulgadas e 31% acham que todo o discurso não passa de estratégia de comunicação, sendo uma "maquiagem verde". Apenas 5% acha que as propagandas mostram o quanto os bancos estão engajados na questão.

A pesquisa mostra ainda que o banco que informasse os impactos socioambientais de seus investimentos teria a preferência de 70% dos clientes. Dentre esses, mais da metade trocaria de instituição se estas informações fossem oferecidas pela concorrência, desde que recebessem condições comerciais idênticas, e 18% dos entrevistados declararam que passariam à instituição mais transparente, independentemente de serviços e taxas.

"É por isso que perguntamos nesta campanha: ‘Cadê a Responsa, Banqueiro?’", diz o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Luiz Cláudio Marcolino. "Assim como os clientes, também vemos muita fragilidade no discurso de responsabilidade sócio-ambiental. Agora é a hora que os bancos têm para reverter essa visão dando reajuste de 10%, melhorando a a fórmula da PLR, garantindo empregos, combatendo o assédio moral, aumentando a segurança nas agências, enfim, mostrando na prática responsabilidade social", completa.

Foram feitas 2.055 entrevistas entre 2 e 14 de abril com brasileiros de 18 anos ou mais, donos de telefones fixos, em todo o país.

Campanha

O Comando Nacional dos Bancários entregou na segunda-feira 10 a pauta de reivindicações da campanha para a federação dos bancos (Fenaban). Na mesma data, o Sindicato lançou oficialmente a mobilização na cidade, com uma grande passeata pelas ruas do Centro. Nela, foi apresentada a Superliga dos Bancários e os Irresponsáveis, personagens criados especialmente para a campanha.

Fonte: Seeb São Paulo

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster