A agência Centro, em Pernambuco, sediou a retomada da operação Carrossel no Banco do Brasil. A partir de agora, toda terça, quarta e quinta é dia de atrasar a abertura de uma agência do banco no estado.

O modelo de protestos foi adotado por Pernambuco desde 1º de julho do ano passado. As atividades ocorrem apenas com a anuência dos empregados da agência. No local, enquanto parte dos trabalhadores discute com a população os objetivos do protesto, os funcionários se reúnem para debater o foco da campanha: a busca de melhores condições de trabalho – menos metas, mais contratações.

Nesta quarta, 8 de abril, a agência Centro só abriu a partir das 13 horas. A unidade compõe o chamado Carrossel Marco Zero e participa do movimento pela segunda vez. A novidade é que, desta vez, durante a reunião, os bancários receberam um questionário. "O objetivo é levá-los a se posicionar e denunciar problemas que, em uma conversa aberta, não viriam à tona, por receio ou constrangimento", explica Marlos Guedes.

No questionário, que não precisa ser assinado, eles devem apontar, por exemplo, os três principais problemas da agência para os trabalhadores, assim com as três principais queixas feitas por clientes. Outros pontos da consulta dizem respeito às principais reivindicações, tanto do pessoal contratado antes de 98 quanto dos que chegaram depois.Os dados serão tabulados e os resultados divulgados entre os próprios empregados e também junto a administração do banco.

Fonte: Fabiana Coelho / Seec-PE

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster