Crédito: Seeb Campinas
Seeb Campinas
Peregrinação: Projeto é levado para câmaras municipais da região

O Sindicato dos Bancários de Campinas lançou no último dia 11 de abril, na Câmara Municipal de Mogi Mirim, a Campanha por Mais Segurança nos Bancos. Em reunião com o vereador Laércio Rocha Pires, os diretores do Sindicato apresentaram o modelo do projeto de lei elaborado pela Contraf-CUT em parceria com a Confederação Nacional dos Trabalhadores Vigilantes (CNTV), que pretende ser lei municipal em todo o país.
 

O texto base do projeto prevê a instalação de porta giratória com dispositivo detector de metais em todas as agências; armários para uso de clientes/usuários; vidros laminados resistentes a impactos e a disparos de armas de fogo nas fachadas externas e divisórias internas das agências e postos de serviços; sistema de monitoração e gravação eletrônicas de imagens, em tempo real, através de circuito fechado de televisão, interligado com uma central de controle fora do local monitorado; câmeras para captar imagens em todos os acessos destinados ao público, em todos os caixas, autoatendimento, incluindo calçadas externas e estacionamento; divisórias opacas entre caixas e caixas eletrônicos; e biombos entre a fila de espera e a bateria de caixas, bem como na área dos terminais de autoatendimento.

O projeto de lei, que visa combater a onda de violência e criminalidade, resultante de fatores econômicos, políticos, sociais e culturais, inclusive já foi apresentado ao presidente da Câmara de Vereadores de Nova Odessa, Adriano Lucas Alves, no dia 19; ao vereador Niverson Gomes da Silva Junior, de Estiva Gerbi, no dia 27; e ao presidente da Câmara de Hortolândia, José Nazareno Gomes, no dia 28.

Na segunda-feira, dia 2 de maio, o projeto de lei foi apresentado ao vereador Elias Fernandes de Carvalho, de Mogi Guaçu; e no dia seguinte, 3 de maio, o projeto foi levado ao prefeito de Elias Fausto, Cyro da Silva Maia, e o presidente da Câmara de Vereadores de Monte Mor, Marcos Antonio Giati.

A Campanha por Mais Segurança nos Bancos vai atingir, segundo definiu a diretoria do Sindicato, toda a base da entidade; ou seja, 37 cidades. Para o presidente do Sindicato, Jeferson Boava, "iremos nos reunir com os poderes Executivo ou Legislativo de todos os municípios, mesmo daqueles onde hoje vigoram leis sobre segurança bancária, mas que não contemplam todas as medidas necessárias".

Jeferson lembra que das 37 cidades, apenas em 12 a lei das portas giratórias é uma realidade. "Defendemos que o Estado cumpra o seu dever em investir em segurança pública. Defendemos também melhorias na segurança privada; no nosso caso, os bancos têm a obrigação de proteger a vida dos clientes, usuários e trabalhadores bancários. Afinal, não podemos conviver com essa ameaça diária. Não podemos aceitar de forma passiva as tragédias ocorridas dentro e fora dos bancos, tão amplamente noticiadas pelos jornais, rádio, TV, sites e até redes sociais. A ganância dos banqueiros por lucros e mais lucros não pode sobrepor a vida das pessoas".

Primeira campanha

O diretor do Sindicato, Danilo Anderson, que representa a Federação dos Bancários de SP e MS na Mesa Temática de Segurança Bancária, recorda que esta é a segunda campanha lançada pelo Sindicato.

"Em agosto de 1996 lançamos a primeira campanha, exigindo a instalação de portas giratórias com dispositivo detector de metais. Os cartazes colados nas agências tinham o seguinte slogan: Cuidado. Agência sujeita a assalto. Queremos agora não apenas as portas, mas também uma série de outros equipamentos. Defendemos, acima de tudo, a vida dos cidadãos".

Fonte: Seeb Campinas

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster