A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) – que dispensou a obrigatoriedade do diploma universitário para o exercício profissional do jornalismo – confundiu prática jornalística com emissão de opiniões. Com essa convicção, o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal, Romário Schettino, participou da manifestação promovida nesta segunda, 22, por estudantes, jornalistas e sindicatos ligados à categoria, em frente ao STF, em Brasília.

"Jornalismo não é emitir opinião. Jornalismo é apuração", disse Schettino aos pouco mais de cem manifestantes. "De forma nenhuma a prática jornalística fere a liberdade de expressão, até porque sempre houve e sempre haverá, nos veículos, espaço para esse tipo de manifestação. O que nós jornalistas fazemos é apurar fatos e, seguindo critérios técnicos, identificar aqueles que são mais relevantes para a sociedade", completou.

Segundo Schettino, o sindicato vai às ruas com o objetivo de debater a questão e apresentar uma nova proposta de regulamentação da profissão. Mas ele lembra que a prerrogativa para a apresentação da proposta precisa ser do Executivo.

"O ministro do Trabalho já tem em mãos um projeto elaborado pela Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas). Vamos lutar para implementá-lo, cientes de que esse tipo de proposta é de competência do Executivo, e que a apresentação de novas leis pelos parlamentares poderá ser considerada inconstitucionail", argumentou.

O Sindicato pretende discutir com as empresas as novas relações entre a categoria e seus patrões. "Mas sabemos que o patronato não quer [abrir mãos de suas conquistas] até porque foram eles os que mais lutaram contra a obrigatoriedade do diploma".

Schettino explica que o sindicato do DF continuará se manifestando contra a decisão do Supremo e em busca de apoio de jovens estudantes e jornalistas. "Precisamos avançar no debate, ao invés de ficar nos lamentando".

Fonte: Agência Brasil, por Pedro Peduzzi

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster