Os funcionários da terceirizada Tivit, que presta serviço para grandes instituições financeiras, como Bradesco e Santander, estão revoltados com a postura da empresa de ignorar as reivindicações dos trabalhadores. Na última negociação que aconteceu no início do mês na sede do Sindicato, os representantes da Tivit se comprometeram a responder até o dia 21.

Em vez de apresentar uma proposta, a empresa prefere ignorar que os trabalhadores fazem serviço bancário e têm direito às conquistas da categoria. A Tivit está querendo uma reunião na Delegacia Regional do Trabalho (DRT) junto com uma outra entidade sindical.

"Estamos querendo negociar com a empresa, pois entendemos que esses trabalhadores são de fato bancários e estão vinculados aos bancos inclusive com acesso ao sistema do Santander e Bradesco, por exemplo. A empresa é só uma fachada para os bancos não pagarem os direitos da categoria" denuncia o diretor da Contraf-CUT Lindiano José da Silva.

As reivindicações dos funcionários da Tivit, que recebem salário de R$ 494 e vale-refeição de R$ 2,25, são aumento no piso para que fique igual ao dos bancários (R$ 1.013,64) e no vale-refeição (R$ 15,92), além da implantação de vale-alimentação de R$272,96, fim do assédio moral, equiparação de direitos para os funcionários que exercem a mesma função e repasse integral ao trabalhador do vale-transporte, entre outras.

"Os funcionários da Tivit reconhecem o Sindicato dos Bancários como legítimo representante na mesa de negociação e isso já é o suficiente para organizarmos a luta desses trabalhadores", afirma o diretor da Contraf-CUT Lindiano José da Silva.

Fonte: Carlos Fernandes, Seeb SP

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster