Crédito: Seec Pernambuco
Seec Pernambuco
Crime ocorreu 5 dias após Febraban se negar a assinar um TAC com MPT

Um vigilante morreu e três pessoas ficaram feridas em mais um assalto a banco no Recife. Desta vez, o crime ocorreu na agência do Itaú localizada no térreo do Hospital Português, no Derby.

Quatro homens armados chegaram ao local por volta das 11h20 desta segunda-feira, dia 30. Durante o assalto, houve troca de tiros entre os ladrões e os seguranças e quatro pessoas foram atingidas. O vigilante da agência, Maurício Lopes da Silva, de 35 anos, foi levado para o centro cirúrgico do hospital, onde acabou falecendo.

O Sindicato dos Bancários de Pernambuco está acompanhando o caso de perto para dar toda a assistência aos funcionários do banco. "Estamos revoltados com esta falta de segurança vergonhosa nas agências bancárias", diz a presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello. "Este é mais um assalto que poderia ser evitado, caso as instituições financeiras respeitassem a lei de segurança bancária do Recife", afirma.

O assalto ocorreu menos de cinco dias após a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) se negar a fechar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público de Pernambuco que garantiria o cumprimento da lei de segurança bancária do Recife.

"E olha que esta lei foi aprovada no final de 2010. Já se passou mais de um ano e meio e até agora os bancos estão ignorando solenemente a lei. Esperamos que os órgãos competentes inciem esta semana a interdição de todas as agências inseguras da capital, conforme decisão do Ministério Público", ressalta Jaqueline.

O assalto

De acordo com informações iniciais, o bando chegou em um Pálio prata, enquanto um outro bandido esperava do lado de fora da agência do hospital, em um Fox preto. O secretário de Saúde do Sindicato, João Rufino, conta que um assaltante entrou e tentou render um vigilante.

"Eles entraram em luta corporal e o funcionário acabou baleado. Aí, os que estavam do lado de fora começaram a atirar no outro vigilante da agência, que revidou, e começou o tiroteio", conta Rufino, que foi ao local logo após o assalto.

Os assaltantes fugiram de carro, pela saída das ambulâncias. Ainda não se sabe a quantia roubada. Além do vigilante morto, também foram atingidos a recepcionista do Português, Evandra de Assis Cabral e Silva, e o maqueiro, José Ailton Barbosa de Góes.

Evandra foi atingida por dois tiros na perna esquerda e José Ailton levou um tiro no pé direito. Os dois passam bem. A outra vítima foi um dos bandidos, que não teve o nome divulgado.

Segundo a polícia, o vigilante Maurício Lopes da Silva, de 35 anos, usava colete à prova de balas, mas foi ferido na altura do pescoço e a bala teria atingido o coração e outros órgãos vitais. O vigilante trabalhava nesta agência há cinco meses.

Rufino conta que essa é a segunda vez que a agência é assaltada em menos de um ano. Em julho do ano passado, seis homens invadiram a unidade, renderam os seguranças e conseguiram levar uma quantia de dinheiro não revelada.

Fonte: Seec Pernambuco

Quatro homens armados chegaram ao local por volta das 11h20 desta segunda-feira, dia 30. Durante o assalto, houve troca de tiros entre os ladrões e os seguranças e quatro pessoas foram atingidas. O vigilante da agência, Maurício Lopes da Silva, de 35 anos, foi levado para o centro cirúrgico do hospital, onde acabou falecendo.

O Sindicato dos Bancários de Pernambuco está acompanhando o caso de perto para dar toda a assistência aos funcionários do banco. "Estamos revoltados com esta falta de segurança vergonhosa nas agências bancárias", diz a presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello. "Este é mais um assalto que poderia ser evitado, caso as instituições financeiras respeitassem a lei de segurança bancária do Recife", afirma.

O assalto ocorreu menos de cinco dias após a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) se negar a fechar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público de Pernambuco que garantiria o cumprimento da lei de segurança bancária do Recife.

"E olha que esta lei foi aprovada no final de 2010. Já se passou mais de um ano e meio e até agora os bancos estão ignorando solenemente a lei. Esperamos que os órgãos competentes inciem esta semana a interdição de todas as agências inseguras da capital, conforme decisão do Ministério Público", ressalta Jaqueline.

O assalto

De acordo com informações iniciais, o bando chegou em um Pálio prata, enquanto um outro bandido esperava do lado de fora da agência do hospital, em um Fox preto. O secretário de Saúde do Sindicato, João Rufino, conta que um assaltante entrou e tentou render um vigilante.

"Eles entraram em luta corporal e o funcionário acabou baleado. Aí, os que estavam do lado de fora começaram a atirar no outro vigilante da agência, que revidou, e começou o tiroteio", conta Rufino, que foi ao local logo após o assalto.

Os assaltantes fugiram de carro, pela saída das ambulâncias. Ainda não se sabe a quantia roubada. Além do vigilante morto, também foram atingidos a recepcionista do Português, Evandra de Assis Cabral e Silva, e o maqueiro, José Ailton Barbosa de Góes.

Evandra foi atingida por dois tiros na perna esquerda e José Ailton levou um tiro no pé direito. Os dois passam bem. A outra vítima foi um dos bandidos, que não teve o nome divulgado.

Segundo a polícia, o vigilante Maurício Lopes da Silva, de 35 anos, usava colete à prova de balas, mas foi ferido na altura do pescoço e a bala teria atingido o coração e outros órgãos vitais. O vigilante trabalhava nesta agência há cinco meses.

Rufino conta que essa é a segunda vez que a agência é assaltada em menos de um ano. Em julho do ano passado, seis homens invadiram a unidade, renderam os seguranças e conseguiram levar uma quantia de dinheiro não revelada.

Fonte: Seec Pernambuco

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster