Crédito: Seeb São Paulo
Seeb São Paulo A UNI Finanças lançou nesta terça-feira (28) uma campanha internacional por meio da qual sindicatos e trabalhadores de todas as categorias e em todos continentes podem assinar uma carta online a ser encaminhada ao presidentes do Santander no Brasil, Jesús Zabalza, e do grupo na Espanha, Emilio Botín.

A campanha é uma resposta à tentativa do banco espanhol de intimidar as entidades sindicais no Brasil por intermédio de ações na Justiça, ferindo direito à liberdade de expressão e à organização sindical.

“O banco utiliza a estratégia de levar para a Justiça um tema que deveria ser abordado na esfera do trabalho. O melhor caminho para esse tipo de situação é o estabelecimento imediato de uma mesa de diálogo disposta a escutar e avaliar os problemas que ambas as partes têm a apresentar”, defende a UNI Finanças em comunicado da campanha.

> Clique aqui para enviar a carta online aos presidentes do Santander.

Além de organizar a campanha, a UNI Finanças, braço do sindicato global que representa três milhões de trabalhadores no planeta da área de finanças e seguros, encaminhou no último dia 22 uma carta para os dois dirigentes do banco. Os documentos foram assinados pelo chefe mundial da UNI Finanças, Márcio Monzane.

Clique aqui para ler a carta para Botín.

Clique aqui para ler o documento para Jesús Zabalza.

Tentativa de calar o movimento sindical

“O Santander deveria apostar no caminho do diálogo e da negociação coletiva. Não aceitamos a tentativa de calar o movimento sindical”, afirma o presidente da Contraf-CUT e da UNI Américas Finanças, Carlos Cordeiro. “Trata-se de mais uma prática antissindical do Santander que agride a organização dos bancários de todo Brasil”, salienta.

“Vamos entrar com todas as medidas judiciais cabíveis e intensificar a mobilização da categoria para defender o direito de expressão das entidades sindicais na luta por emprego, condições dignas de saúde, segurança e trabalho, e melhoria do atendimento aos clientes”, enfatiza o dirigente sindical.

“Essa postura representa, na verdade, um ataque ao movimento sindical como um todo e não somente aos bancários. A estratégia fere o direito de organização e liberdade de expressão, com a clara tentativa de coibir a luta por melhores condições de trabalho. Por isso, buscamos o apoio da UNI Finanças na realização de uma campanha mundial que denuncie e repudie esse desrespeito”, explica Rita Berlofa, diretora executiva do Sindicato dos Bancários de São Paulo, ao ressaltar que o movimento não irá se calar mesmo diante da tentativa de intimidação por parte da instituição financeira.

Abuso

Essa não é a primeira vez que o Santander tenta, através de ações indenizatórias por danos morais, intimidar a atuação das entidades representativas dos bancários no Brasil. Em 2011, o banco entrou na Justiça em função do protesto no dia da decisão da Copa Libertadores entre Santos e Penharol, que tinha o Santander como patrocinador.

Quatro entidades (Contraf-CUT, Fetec-CUT/SP, Sindicato dos Bancários de São Paulo e Afubesp) foram condenadas em primeira instância a pagar uma indenização de R$ 1,5 milhão, mas recorreram da sentença e aguardam julgamento.

Naquela ocasião, as entidades denunciaram a prática de demissões, os bônus milionários pagos aos altos executivos e o desrespeito com os aposentados do antigo Banespa, adquirido pelo Santander em 2000.

Agora o banco apela à mesma tática em função do dia nacional de luta realizado em todo Brasil no dia 11 de abril contra falta de funcionários, pelo fim das demissões, das metas abusivas e do assédio moral.

O banco entrou novamente na Justiça contra a Contraf-CUT, federações e sindicatos em vários estados do país, alegando “prejuízo irreparável à imagem do Santander chegando a beirar a barbárie”. Em São Paulo, o banco requereu uma condenação ainda superior a R$ 1,5 milhão, uma vez que a primeira não trouxe o efeito esperado, ou seja, calar os trabalhadores.

Um dia internacional de luta foi realizado na última quinta-feira (23), com protestos contra as práticas antissindicais do Santander. Houve paralisações e manifestações em todo Brasil.

Solidariedade

Os bancários brasileiros receberam o apoio e a solidariedade de trabalhadores do Santander de diversos países da América Latina e Europa, que compõem a Rede Sindical do Santander, durante a 7ª Reunião Conjunta das Redes Sindicais dos Bancos Internacionais, ocorrida de 6 a 8 de maio, em Assunção, promovida pela UNI Américas Finanças e Coordenadora das Centrais Sindicais do Cone Sul.

Representantes sindicais assinaram uma declaração de repúdio encaminhada aos presidentes Zabalza e Botín.

Fonte: Contraf-CUT com UNI Finanças e Seeb São Paulo

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster