Crédito: Jailton Garcia – Contraf-CUT
Jailton Garcia - Contraf-CUT
Delegados definem pauta específica para a Campanha 2013

O 24º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, organizado pela Contraf-CUT e que ocorre em São Paulo, realiza neste domingo 19 a plenária final para aprovar a pauta de reivindicações específicas da Campanha 2013.

Neste sábado 18, na parte da manhã, os 318 delegados presentes (214 homens e 104 mulheres) discutiram a conjuntura nacional após palestra do diretor-técnico do Dieese, economista Clemente Ganz Lúcio. E à tarde reuniram-se em quatro grupos para aprofundar a discussão sobre Remuneração e condições de trabalho, Saúde e previdência, Organização do movimento e Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional (SFN).

Clique aqui para saber como foi a palestra do diretor-técnico do Dieese. E veja abaixo um resumo das discussões nos grupos.

Remuneração e Condições de Trabalho

Com grande participação dos mais de 80 delegados e delegadas de todo o país, o grupo Remuneração e Condições de Trabalho discutiu, entre outros temas, o Plano de Carreira e Remuneração (PCR) e o plano de funções comissionadas, implantado unilateralmente pela direção do BB em 28 de janeiro deste ano.

Coordenador do grupo, Eduardo Araújo, que é diretor do Sindicato dos Bancários de Brasília, destacou a importância do debate. “Em mais de cinco horas analisando item a item, restaram poucas polêmicas”, observou o dirigente sindical.

Outros assuntos que dominaram o debate no grupo de trabalho foram as condições de trabalho e a necessidade de mobilização dos trabalhadores para enfrentar os ataques da direção do banco.

Já os itens que não foram consenso entre a maioria serão discutidos na plenária final deste domingo.

Saúde e Previdência

Questões essenciais relacionadas à Cassi e Previ foram apreciadas pelo grupo que discutiu Saúde e Previdência. Coordenador do grupo, Wagner Nascimento, que é diretor do Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte, elogiou o empenho dos delegados que participaram dos debates. “A maioria dos itens foi aprovada por consenso. Já em relação às propostas divergentes, conseguimos uma discussão madura e produtiva.”

Em relação à Cassi, o funcionalismo deliberou itens sobre os aspectos referentes aos funcionários e outros que envolvem a responsabilidade do BB com a saúde dos bancários e bancárias.

Também aprovaram Cassi para todos os funcionários, incluindo os incorporados, e melhoria da comunicação no plano de saúde.

Sobre Previ, os integrantes do grupo discutiram o aumento de benefícios no Plano 1, melhorias no Previ Futuro e o retorno do resgate da parte patronal no desligamento desse plano.

“Ricos, os debates resultaram na apresentação de propostas que vão melhorar a aposentadoria dos bancários do BB”, acrescentou Wagner.

Banco do Brasil e o SFN

Em mais de quatro horas de debates, os integrantes do grupo Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional (SFN) aprofundaram questões importantes para manter o banco não somente estatal, mas também público.

“Se os sindicatos e os bancários não sensibilizarem a opinião pública sobre a importância desse debate, não há como ter um sistema financeiro melhor e um Banco do Brasil melhor, que ofereça melhores condições de trabalho e de saúde para o funcionalismo e ética aos clientes e usuários”, afirmou o diretor executivo do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, Ernesto Izumi, coordenador do grupo.

Crucial para os bancários, clientes e usuários do sistema financeiro, a realização de uma conferência nacional sobre o tema também foi debatida pelos integrantes do grupo. A proposta da Contraf-CUT, encampada pela CUT no 11º Concut, foi levada pela Central à presidenta Dilma Rousseff – que propôs ampliar o tema para incluir os direitos dos consumidores bancários.

Além desses temas, o grupo também debateu juros, tarifas, linhas de crédito e internacionalização do BB. Os itens que não foram consenso entre a maioria serão discutidos na plenária deste domingo.

Organização do movimento

Esse grupo discutiu, entre outros temas, a estratégia da Campanha Nacional 2013, o modelo de negociação de mesa única da Fenaban com mesa concomitante para discutir as questões específicas do BB, o fortalecimento dos fóruns da categoria (sindicatos, federações, Contraf-CUT, Comissão de Empresa e Comando Nacional dos Bancários), a mobilização e a unidade nacional da categoria.

“Devido os inúmeros ataques feitos pelo BB aos direitos dos trabalhadores, já era natural que esse grupo fosse bastante complexo. A angústia dos trabalhadores deu uma resposta de qualidade através do diálogo, e certamente a mobilização dos funcionários se refletirá em propostas eficazes”, disse Carlos de Souza, vice-presidente da Contraf-CUT, que coordenou o grupo de Organização do movimento.

(Rodrigo Couto, do Seeb Brasília, José Luiz Frare e Junior Barreto, da Contraf-CUT)

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Brasília

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster