Crédito: Seeb Rio
Seeb Rio Os bancários de bancos privados do Rio de Janeiro reafirmaram a unidade nacional e seguiram a orientação do Comando Nacional, aprovando a proposta dos bancos e encerrando a greve, na assembleia realizada ontem, dia 6. Os funcionários do Banco do Brasil e os empregados da Caixa Econômica Federal também aprovaram as propostas específicas apresentadas pelas instituições.

Para a presidenta em exercício Adriana Nalesso, não é a extensão da greve que garante necessariamente conquistas numa campanha salarial.

“A proposta possui avanços e a campanha nacional é vitoriosa com uma greve curta, porém forte. Isto é eficiência. Além dos ganhos no item da remuneração, os bancos aceitaram proibir a cobrança de metas e ou outro tipo de pressão via celular, torpedo ou através de qualquer ferramenta tecnológica avançaram na reabilitação profissional”, afirma.

A nova proposta da Fenaban

O índice de reajuste para salários, PLR, vale-alimentação e auxílios é de 8,5% (aumento real de 2,02%). Para o piso, 9% (ganho real de 2,5%).

O vale-refeição será reajustado em 12,2%, o que significa 5,5% de aumento real, elevando o valor dos atuais R$ 23,18 para R$ 26 ao dia.

O vale-alimentação passa de R$ 397,36 ao mês para R$ 431,16, mesmo valor da 13ª cesta. Todos os valores serão pagos retroativos a 1º de setembro, data base da categoria.

PR no HSBC

O HSBC teve prejuízo no primeiro semestre de 2014, o que levaria seus funcionários a não ganhar PLR. Mas a pressão dos sindicatos e da greve garantiu uma proposta de R$ 3 mil de participação nos resultados (PR) para todos os funcionários do banco.

Dias parados

Não haverá desconto dos dias parados. Para quem tem jornada de seis horas, seria compensada uma hora por dia de 15 a 31 de outubro. Para os que trabalham oito horas, a compensação seria de uma hora por dia entre 15 de outubro e 7 de novembro.

Fonte: Seeb Rio de Janeiro

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster