Crédito: Manoel Porto – Seeb Bahia
Manoel Porto - Seeb BahiaNúmero já é maior do que o da greve do ano passado

Os bancários da Bahia mostram grande disposição para a luta. No primeiro dia da greve por tempo indeterminado, trabalhadores de bancos públicos e privados cruzaram os braços em 543 agências de todo o Estado. O número já é maior do que o do ano passado, quando 380 unidades ficaram sem atendimento.

Da base territorial do Sindicato dos Bancários da Bahia 240 agências de bancos públicos e privados ficaram fechadas nesta quinta-feira (19). Em 2012, foram 145. Os dados mostram a vontade da categoria em arrancar as conquistas efetivas da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos).

Em todo o Brasil, 6.145 unidades pararam. São 1.013 a mais do que no primeiro dia da greve do ano passado (5.132), alta de 19,73%, segundo levantamento da Contraf-CUT com base em informações dos sindicatos de todo país.

Até agora, a tática dos banqueiros tem sido a intransigência. Nas mesas de negociação negaram os principais itens da pauta de reivindicações e, para completar, ofereceram pífios 6,1% de reajuste salarial. Um verdadeiro desrespeito.

Assembleia

Em assembleia realizada nesta quinta-feira, diretores do Sindicato da Bahia fizeram balanço do primeiro de greve no Estado. “A adesão neste ano começou maior, o que mostra que os trabalhadores estão unidos para conquistar aumento real, PLR maior, além de contratações para melhorar as condições de trabalho”, destaca o presidente do Sindicato, Euclides Fagundes, informando que a mobilização vai crescer ainda mais nos próximos dias.

O presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza, reforça. “Temos de sufocar os bancos para pressionar por uma proposta justa”.

Uma nova assembleia acontece na próxima segunda-feira (23), às 18h, no Ginásio de Esporte, Ladeira dos Aflitos, em Salvador. É fundamental a participação da categoria.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Bahia

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster