O ministro-chefe da CGU (Controladoria Geral da União), Jorge Hage, demitiu ontem por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito três servidores que exerciam cargos de chefia no governo e, recentemente, foram acusados de envolvimento em corrupção.

Foram exonerados Flávio José Pin, superintendente Nacional de Produtos de Repasse da Caixa; Edilberto Nerry Petry, chefe da Coordenação de Integração de Projetos dos Correios; Eldon Arrais de Lavor, ex-chefe da Coordenadoria Estadual do Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contra a Seca) em Pernambuco.

A Folha não localizou os servidores para que comentassem a decisão da CGU.

Pin foi um dos 40 presos na Operação Navalha, da PF, deflagrada em 2007. A investigação desmontou esquema de favorecimento ilegal da construtora Gautama em licitações. A CGU diz ter comprovado em sindicância que Pin recebeu propina, "de pelo menos R$ 25 mil".

Petry é acusado de favorecer a Seal Sistemas de Tecnologia de Informação Ltda. ao revogar licitação em curso para comprar dela 500 impressoras especiais, no valor total de R$ 2,5 milhões.

Já Lavor, diz a CGU, movimentou em suas contas valor cinco vezes maior do que sua renda declarada e comprou 27 apartamentos, em Recife e Olinda, não declarados.

Fonte: Folha de S.Paulo, em Brasília

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster