Pauta de reivindicações específicas foi entregue ao banco no dia 14 de agosto

A Contraf-CUT, federações e sindicatos realizam nesta terça-feira (2), às 14h, com o Santander a primeira rodada de negociações da pauta específica de reivindicações dos funcionários, buscando renovar com avanços o acordo coletivo aditivo do banco à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), o acordo do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) e os termos de compromisso com a Cabesp e Banesprev. A reunião ocorre no edifício Altino Arantes, no centro de São Paulo.

A minuta foi entregue no dia 14 de agosto para a diretora de Recursos Humanos, Vanessa Lobato, com a presença de dirigentes sindicais de todo o país. Na ocasião, foi reivindicado que as negociações com o Santander sejam concomitantes com a mesa única entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban. E o banco concordou pela primeira vez.

Além da atualização de cláusulas do aditivo vigente, há novas reivindicações dos trabalhadores do banco, elaboradas a partir das consultas feita por vários sindicatos e respondidas em poucos dias por cerca de 10 mil funcionários. Dentre as prioridades, foram apontadas as propostas de emprego, o fim das metas abusivas e as demandas sobre planos de saúde.

Reivindicações

A minuta contém um bloco de manutenção de 24 cláusulas com ajustes e um bloco de 47 cláusulas de novas propostas ou com inclusão de parágrafos, destacando-se dentre outras reivindicações:

– Garantia contra dispensa imotivada;
– Realocação de funcionários em caso de fechamento de agências;
– Melhores condições de trabalho com mais contratações;
– Licença remunerada pré-aposentadoria (pijama);
– Políticas preventivas de saúde e de acidentes de trabalho;
– Manutenção da assistência médica aos aposentados nas mesmas condições da ativa;
– Ampliação das bolsas de estudo para segunda graduação e pós;
– Adiantamento de férias de um salário com desconto em 10 vezes sem juros;
– Proibição de descontos de comissões por venda de produtos;
– Grupo de Trabalho paritário sobre Previdência Complementar;
– Ampliação da PPRS para valor mínimo de R$ 3.411;
– Isenção de tarifas e redução das taxas de juros.

Valorização

O Santander obteve lucro líquido gerencial de R$ 2,8 bilhões no primeiro semestre de 2014, que significa 19% do lucro global do banco espanhol, que foi de 2,7 bilhões de euros.

“Com todo esse lucro, o banco têm plenas condições para garantir novas conquistas econômicas e sociais nas negociações específicas, como forma de valorizar o empenho e a dedicação dos funcionários”, ressalta Ademir Wiederkehr, secretário de Imprensa da Contraf-CUT.

“É fundamental a participação de todos na luta para conseguirmos não só a manutenção dos direitos já garantidos como também para avançarmos sobre novas conquistas”, destaca Maria Rosani, coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander.

Reunião da COE do Santander

Antes da negociação, a Contraf-CUT promove uma reunião da COE do Santander no mesmo dia, às 10h, na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, para preparar os debates com o banco.

Fonte: Contraf-CUT

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster