Crédito: Paulo Pepe/Contraf-CUT
Paulo Pepe/Contraf-CUT
Abertura solene da 16ª Conferência simboliza unidade nacional dos bancários

Rede de Comunicação dos Bancários

Coroando uma jornada de muita reflexão e debates no primeiro dia da 16ª Conferência Nacional dos Bancários, que está sendo realizada em Atibaia (SP), o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro, conclamou as entidades sindicais, na abertura solene desta sexta-feira (25) à noite, a ousarem e apostarem na mobilização para que a categoria conquiste novos avanços na campanha deste ano.

Simbolizando a unidade nacional dos bancários, participaram da mesa de abertura todas as federações e sindicatos que representam a categoria, além de centrais sindicais.

No segundo dia da Conferência, os cerca de 700 delegados e observadores vão neste sábado 26 discutir a conjuntura nacional e fazer reuniões em grupos para aprofundar a discussão dos principais temas da campanha.

Primeiro bancário a presidir a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas lembrou as dificuldades que a categoria enfrenta em todas as campanhas, para apostar: “Com a extraordinária militância que nós temos, vamos derrotar os banqueiros e a direita.”

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Juvandia Moreira , disse ter “orgulho de ser de uma categoria forte como essa, que tem uma Convenção Coletiva de Trabalho válida em todo o país. Nós enfrentamos um dos setores mais poderosos da economia, que mais lucra no Brasil e em todo o mundo. Mas com a certeza de que eles podem atender as reivindicações dos trabalhadores”. Ela lembrou que apenas no primeiro trimestre deste ano a soma dos lucros dos seis maiores bancos no país chegou a R$ 13 bilhões, 15% a mais do que no mesmo período de 2013.

Combater o terrorismo econômico

“Não queremos a sociedade do terrorismo econômico e político do Santander, como vimos hoje. Queremos fortalecer a democracia no nosso país”, disse Carlos Cordeiro, conclamando os participantes da Conferência a refletir sobre a disposição de transformar a sociedade brasileira.

O presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários também se referiu à importância de não se esquecer a história recente do Brasil e da perseguição política e a tortura, que muitos foram vítimas e do papel fundamental dessas pessoas para que hoje haja liberdade de organização sindical, de expressão e democracia no país. “Homenageio com uma rosa a companheira Elisa Ferreira, diretora do Sindicato de Campinas e conselheira deliberativa eleita da Cassi, que é filha de perseguidos políticos, que nasceu no exílio em Portugal, e simbolicamente a todos os que estiveram na luta, na resistência, e combateram a ditadura militar no Brasil”.

Edilson Aparecido da Silva, presidente interino da Feeb São Paulo e Mato Grosso do Sul, disse que sua entidade, “por meio dos sindicatos filiados, percorreu toda a base para buscar as reivindicações dos trabalhadores e trazer à Conferência os principais problemas enfrentados pelos bancários para a construção de uma pauta que contemple os anseios de todos os trabalhadores que representa”.

‘Vamos construir a melhor pauta’

A diretora da Fetrafi-RS Denise Corrêa afirmou que a Campanha Nacional 2014 começou muito bem. “Hoje, discutimos saúde, condições de trabalho e terceirização, temas importantes e profundos para os bancários. Também debatemos outros assuntos de interesse para toda a classe trabalhadora, como a democratização da mídia, a Comissão da Verdade e a reforma política. Nossa pauta vai dialogar com a categoria, diante de toda a sua diversidade e pluralidade.”

O representante da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Jefferson Tramontini, defendeu posicionamento da categoria bancária na eleição presidencial deste ano. Segundo ele, estão em disputa dois projetos claros de governo, um que está voltado para o desenvolvimento de melhores condições de vida dos trabalhadores e outro que representa a subjugação do Brasil aos interesses do imperialismo. “Os trabalhadores têm que ter posição e tomar lado, defendendo uma sociedade mais justa”.

O presidente da Fetraf RJ/ES, Nilton dos Santos, o Niltinho, criticou ainda as demissões e as pressões dos bancos para inibir os bancários na luta. “Sempre que acaba nossa campanha salarial, os bancos privados demitem em massa e os bancos públicos fazem ameaças, como o Banco do Brasil, que usa o descomissionamento como instrumento de retaliação contra os trabalhadores que participam das greves.Temos de lutar e derrotar estas práticas dos patrões”.

O presidente do Sindicato de Santos e representante da Intersindical, Ricardo Saraiva, o Big, ressaltou a importância da luta dos bancários contra a terceirização e a precarização do trabalho. “Temos uma categoria forte, que participou ativamente das lutas contra a ditadura, e precisamos manter a unidade para derrotar o projeto dos empresários e dos banqueiros”, ressaltou.

Prefeito dá as boas-vindas

Para dar as boas-vindas, o primeiro a falar na sessão de abertura da Conferência foi o prefeito de Bragança Paulista, o ex-bancário Fernão Dias (PT), cujo sindicato da categoria em sua cidade inclui a base do município de Atibaia, onde está sendo realizada a Conferência. Disse que deixou a profissão de bancário porque “a carga é enorme, eu não suportava o desgaste”, e por isso entende os problemas da categoria, a quem desejou êxito na campanha deste ano.

Walmar Pessoa
Author: Walmar Pessoa

WebMaster